Sociedade | 20-01-2023 07:00

Plano de Ordenamento do Território de Lisboa e Vale do Tejo está desactualizado

Plano de Ordenamento do Território de Lisboa e Vale do Tejo está desactualizado
Teresa Almeida, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) de Lisboa e Vale do Tejo

A presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo diz que o actual plano regional de ordenamento do território vai ser objecto de revisão “em breve”.

A presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) de Lisboa e Vale do Tejo afirmou que “estará para breve” uma resolução para a revisão do Plano Regional de Ordenamento do Território (PROT) de Lisboa e Vale do Tejo, que deverá ser actualizado ainda este ano. Teresa Almeida foi ouvida no Parlamento, no dia 17 de Janeiro, no âmbito dos prejuízos identificados na região de Lisboa pelas chuvas intensas de Dezembro, que afectaram vários municípios e provocaram prejuízos de cerca de 185 milhões de euros.

Questionada pelos deputados acerca da falta de um PROT actualizado para a região, Teresa Almeida afirmou que estará para breve. “Nós temos conhecimento que estará para breve uma resolução para podermos iniciar esse procedimento. É nossa vontade - da CCDR - de o poder concretizar também no mais curto espaço de tempo possível e, dentro do conhecimento que temos, será ainda durante este ano de 2023 que o PROT da região de Lisboa e Vale do Tejo será desenvolvido”, afirmou.

A responsável destacou que o Plano Regional de Ordenamento do Território (PROT) actualmente em vigor na Área Metropolitana de Lisboa é de 2002 e no Oeste e Vale do Tejo é de 2009. “É um facto que nós sentimos a falta de um documento mais actualizado. Por coincidência, eu fui presidente da CCDR em 2010 e 2012 e deixei esse projecto revisto a tempo de ser deliberado em Conselho de Ministros. Mas, entretanto, o Governo caiu e o Governo seguinte não retomou o processo. Ele estava concluído com todas as participações, auscultações públicas e, portanto, era um documento mais actual”, explicou.

Teresa Almeida destacou que o PROT “será um instrumento obviamente de grande importância”, nomeadamente para acompanhamento de fenómenos como as cheias verificadas em Dezembro. A responsável referiu ainda que, na sequência das inundações, autarcas manifestaram preocupações sobre como acautelar os riscos hidrológicos na região, pelo que “surgiu logo a vontade de constituir um grupo de trabalho no contexto da Área Metropolitana de Lisboa, com os autarcas, com a Agência Portuguesa do Ambiente e com a CCDR”.

A presidente da CCDR adiantou também que já decorreu uma reunião do grupo no dia 13 de Janeiro e será realizado trabalho durante o ano, estimando-se que em Dezembro “será feita a apresentação dos planos de intervenção metropolitanos, que têm a ver com este processo de intervenção, de adaptação e mitigação de riscos em territórios prioritários”.

Teresa Almeida destacou igualmente que Portugal está a iniciar um novo ciclo de apoios comunitários e que “uma das preocupações que preside a este ciclo de financiamento tem a ver exatamente com as alterações climáticas e com toda a questão da sustentabilidade”, pelo que um plano de intervenção no território pode ser útil na formulação de candidaturas.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1596
    11-01-2023
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1596
    25-01-2023
    Capa Médio Tejo