A Palavra dos Leitores | 28-12-2011 11:19

Centro de Novas Oportunidades certificou mais 70 alunos do ensino básico e secundário

Dois anos para alcançar o que eu e muitos outros, no tempo do ensino sério, precisámos de seis para alcançar. A 'trapaça' está tão bem encenada que até convenceram os próprios formandos (será que se pode chamar-lhes alunos?) de que não se trata de um processo de facilitismo. Claro que não. Fazer 6 anos em 2 e em horário pós laboral não é tarefa fácil. É evidente que escrever a sua história de vida, certamente rica como se espera de pessoas que já são avós em alguns casos, assistir a umas apresentações em Power Point, fazer uns trabalhos de pesquisa na Internet (é preciso continuar a acreditar que as novas tecnologias vão colocar este país no "pelotão da frente") e mais uns quantos módulos das áreas mais diversas, em que na maioria dos casos basta ter assiduidade para obter “Com aproveitamento” (e sei do que falo), é praticamente o mesmo que fazer 6 anos lectivos de Português, Matemática, História, Geografia, Geometria, Inglês, Francês, Física, Química, etc., com dois testes por período que nos obrigavam a saber a matéria para obter positiva e passar para o ano seguinte. E viva o Eng.º Sócrates diplomado ao Domingo, que inventou tão brilhante forma de aumentar os níveis académicos do país perante o EUROSTAT. Carlos Baptista NOTÍCIA RELACIONADA: http://semanal.omirante.pt/index.asp?idEdicao=526&idSeccao=8721&id=79661&Action=noticia&title=Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Médio Tejo