A Palavra dos Leitores | 06-01-2013 00:11

Igreja de Santa Iria da Ribeira de Santarém em risco de ruir

Estou sempre dividido perante situações como esta. O edifício é da Igreja Católica e como tal deve ser a Igreja Católica a custear a sua recuperação e a ser criticada pela sua não manutenção ao longo dos anos. No entanto a Igreja de Santa Iria da Ribeira de Santarém não é um edifício qualquer. É um templo construído há vários séculos que tem valor patrimonial e se ruir a perda não é só para a Igreja Católica mas também para Santarém e para o país. Pessoalmente não consigo imaginar o meu país sem estes edifícios; estas Igrejas. Trata-se da nossa identidade e da nossa história, quer sejamos católicos ou não. Tenho a mesma opinião em relação a outros edifícios ou monumentos particulares de reconhecido valos arquitectónico ou histórico. Acho que o Estado não deve apoiar qualquer confissão religiosa ou particular mas deve ter em atenção o interesse patrimonial de edifícios que integram a nossa memória colectiva como a Igreja de Santa Iria.Adolfo Mendes Guerreiro Bem demonstrativo do estado de miséria moral a que Santarém chegou. Caso Santa Iria caia, Santarém deve perder o título de cidade e voltar a ser vila. Não merece ser mais que isso.ManelEstava convencido que o Dr. Moita Flores tinha recuperado a Igreja. Depois de ter manifestado tanta fé, tanta disponibilidade de colaboração com a Igreja, é de estranhar que tenha descurado o mais importante - o património...José Luís CabritaTalvez seja altura de "estender" este reconhecimento à trapalhada em que se tornou o trânsito em Santarém nos últimos anos. Com a ideia peregrina de transformar a única Avenida que tínhamos com alguma escala num Jardim de pedras e uma das suas laterais num corredor estreito onde mal cabem dois carros, deu-se o golpe de misericórdia e instalou-se uma tremenda dor de cabeça em todos quantos têm que circular pela cidade. Fazer da estreita e congestionada rua do Mercado - sempre cheia de carros e "carretas" a fazer cargas e descargas - uma via com a dupla função de receber e escoar o trânsito vindo da "Calçada do Monte" e do "lado do Liceu" é de bradar aos Céus Será que nenhum dos nossos responsáveis anda na rua? Com tantos estudos e projectos efectuados não conseguiram melhorar nada? A denominada "ovlunda" é outro caso digno de registo! Diria que só possível, mesmo, em Santarém! Os engarrafamentos que provoca são dignos de um País do 3º Mundo...venha o condutor donde vier encontra sempre dificuldade para nela entrar, para nela circular e para dela sair. Pior era difícil!Ah! e não falo só das chamadas "horas de ponta"!! Mesmo saindo das principais vias encontramos constrangimentos constantes (agravados em período lectivo). Pergunto uma vez mais: e os nossos responsáveis não andam na rua? Não vêm "aquilo" que todos nós vemos? Se calhar não...E que dizer daqueles dois enormes sinais de sentido proibido - bem à entrada da cidade! - para quem sobe a "Calçada do Monte"?! Só nós para recebermos assim, quem na nossa casa quer entrar... João Motta FreireNotícia relacionada: http://www.omirante.pt/noticia.asp?idEdicao=54&id=56085&idSeccao=479&Action=noticia

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo