Arquivo | 09-01-2013 15:37

Video-jogos podem ajudar a diminuir risco de obesidade em crianças citadinas

Os jogos electrónicos, vistos há muito como inimigos da saúde das crianças, podem afinal contribuir para aumentar os gastos de energia, e por isso diminuir o risco de obesidade naquelas que vivem nas cidades, revela um estudo hoje publicado."Muita gente diz que o tempo que as crianças passam em frente aos ecrãs é um fator importante no aumento da epidemia de obesidade infantil", lembrou o líder da equipa de investigadores Todd Miller, professor no departamento de ciência do exercício na Universidade de George Washington."Mas se um miúdo odeia jogar à bola e adora o 'Dance Dance Revolution', porque não deixá-lo transpirar a jogar jogos eletrónicos?".Investigadores da Universidade de George Washington recrutaram 104 crianças entre o 3.º e o 8.º anos em escolas públicas do Distrito de Columbia, nos EUA, para compararem as atividades tradicionalmente realizadas nas aulas de educação física com jogos eletrónicos como 'Dance Dance Revolution' ou 'Winds of Orbis: An Active Adventure (Orbis)'.No primeiro jogo, a criança é levada a dançar ao ritmo de música eletrónica com coreografias cada vez mais complicadas; no segundo, o jogador incarna um super-herói que tem de trepar, saltar e fazer outros movimentos.Os cientistas descobriram que, em média, os estudantes gastavam mais energia nas atividades de educação física, mas no caso dos alunos entre o 3.º e o 5.º anos os videojogos também lhes permitiam cumprir os critérios de intensidade recomendada de atividade vigorosa.Esta descoberta, defende Miller, sugere que os jogos eletrónicos podem ser uma alternativa útil à tradicional educação física nas crianças mais novas.Este estudo foi o primeiro a focar-se em crianças de origem africana e outras minorias, que nos EUA têm risco acrescido de obesidade."Muitos destes miúdos vivem em bairros sem zonas seguras para brincar ou andar de bicicleta depois da escola", lembra Miller. "Se os videojogos os puserem a mexer na escola, talvez joguem em casa também e essa mudança pode aumentar os seus níveis de atividade física."No caso dos adolescentes e crianças mais velhas, a situação é mais complicada, já que os jogos eletrónicos não são suficientes para promover uma atividade física que cumpra os requisitos.A obesidade infantil afeta cerca de 17% das crianças e adolescentes norte-americanas e dezenas de escolas em pelo menos 10 estados dos EUA já começaram a usar videojogos ativos nas aulas de educação física para tentar motivar os estudantes mais inativos, especialmente os que não gostam de fazer ginástica, a mexer-se mais.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo