Arquivo | 22-01-2013 19:22

PCP preocupado com possível corte de 10ME no orçamento do Hospital de Évora

O deputado do PCP João Oliveira manifestou-se hoje preocupado quanto à eventual “redução de 10 milhões de euros” no orçamento para este ano do Hospital de Évora, o que provocará “constrangimentos”.Depois de acompanhar a visita que a comissão parlamentar de Saúde efetuou hoje ao Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), o deputado comunista, eleito por Évora, referiu aos jornalistas levar, desta jornada, “preocupações em relação ao quadro de constrangimento orçamental” da unidade.“Ficámos a saber que, em 2013, [o HESE] disporá de um orçamento com menos de cerca de 10 milhões de euros”, disse.Segundo João Oliveira, trata-se de uma “proposta inicial de orçamento” que “está ainda a ser discutida com a Administração Regional de Saúde (ARS) e o Ministério da Saúde”, o que não invalida que seja “uma perspetiva preocupante”.“Considerando aquilo que tem sido o trabalho feito pelo hospital, num quadro de redução dos meios ao seu dispor, obviamente que esta perspectiva de redução orçamental é muito significativa”, insistiu.A concretizar-se, este corte de verbas significa menos “quase uma sétima parte do orçamento” do HESE, o que “causará constrangimentos muito complexos, continuou.O deputado comunista defendeu ser necessário “preservar a capacidade instalada” de que o HESE já dispõe e apostar no investimento em Saúde numa região como o Alentejo, “com uma população particularmente carenciada e necessitada”.“E, portanto, um corte orçamental dessa natureza tem consequências muito preocupantes para a prestação de cuidados de Saúde a todos os alentejanos”, acrescentou João Oliveira, lembrando que o HESE serve todo o Alentejo.Questionado sobre este assunto, a presidente do conselho de administração do HESE, Maria Filomena Mendes explicou aos jornalistas que, neste momento, ainda está a ser negociado com a tutela o contrato-programa para este ano.“Houve, efectivamente, uma grande redução em termos dos preços das nossas principais linhas de actividade, que penalizarão o hospital, mas, enfim, esta tem sido uma metodologia a que já nos vamos habituando porque o hospital está próximo da sustentabilidade”, afirmou.Segundo a mesma responsável, o HESE “é sustentável do ponto de vista económico e financeiro, nos últimos anos, e o que tem vindo a acontecer” é que, por isso, é “penalizado em termos da redução de preços”.“E isso obriga a novas negociações, que estamos, neste momento, [a fazer] com a ARS. Esperamos que o impacto seja o menor possível e que consigamos mitigar este impacto da diminuição de preços previsto para o Orçamento do Estado para 2013”, disse.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo