Arquivo | 11-11-2013 12:55

Abortada emigração ilegal de 27 crianças de Moçambique para a África do Sul

As autoridades moçambicanas abortaram uma tentativa de emigração ilegal de 27 crianças para a África do Sul, através da fronteira de Ressano Garcia, tendo detido sete pessoas, anunciou hoje a imprensa do país.As crianças estariam a atravessar a fronteira "a salto", através do rio Inkomati, devido ao alto custo dos passaportes para uma entrada legal naquele país.Moçambique e África do Sul aboliram mutuamente os vistos de entrada mas é exigida a produção de um passaporte na fronteira.Segundo o diário O País, de Maputo, a emissão de um passaporte moçambicano orça em 3.000,00 meticais (cerca de 75,00 euros), enquanto uma travessia ilegal da fronteira custa metade deste valor.Segundo o jornal Notícias, também de Maputo, na tentativa de atravessar com 13 crianças sem qualquer documento com destino à cidade sul-africana de Alexandra foi apreendida uma viatura e os guias, vulgo "marianas", fugiram e abandonaram os menores à sua sorte.Na manhã de sábado, familiares dos emigrantes e dos menores, foram ao posto policial de Ressano Garcia, para os levarem de volta às suas casas.Questionados sobre os motivos que os levaram a entregar as crianças aos motoristas e serem sujeitos a travessias ilegais, os familiares alegaram o alto custo para aquisição dos passaportes."Eu tenho aqui os meus quatro sobrinhos, a minha filha e a minha esposa que iam passar férias em casa da minha cunhada e pedi ao motorista que os levasse, embora nenhum deles tivesse documentos", disse Alexandre, citado pela Agência de Informação de Moçambique (AIM).Por seu turno, os transportadores dizem ter-se envolvido no caso movidos por dinheiro e que por cada criança receberiam valores que variam entre 300 (28 euros) e 500 randes.A Polícia, através do seu porta-voz Emídio Mabunda, esclareceu que se trata de um caso de emigração ilegal que está a merecer a devida atenção pelos agentes da lei e ordem e que feita a triagem as crianças serão devolvidas ao seu local de origem."Trata-se de um caso ainda em análise, mas até aqui estamos diante de uma emigração ilegal ou violação de fronteira e por ser crime vai merecer a devida atenção. A polícia está a trabalhar e no devido tempo vai esclarecer o caso e reintegrar as crianças", afirmou Mabunda.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1355
    13-06-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1355
    13-06-2018
    Capa Médio Tejo