Cultura | 04-07-2008 09:48

Colete Encarnado renova tradição em Vila Franca

Respira-se um ambiente taurino em Vila Franca. Está aí mais um Colete Encarnado, a festa maior da cidade. As tronqueiras colocadas nas ruas anunciam as esperas de toiros e as varandas, janelas e montras estão decoradas com motivos ribatejanos como que a convidar os visitantes a participarem na festa que começa hoje e prolonga-se até domingo, 6 de Julho.Esta manhã os bombos e concertinas anunciam a festa no mercado municipal e na praça do município. Às 19h30 inicia-se o desfile de tertúlias e tertulianos desde o largo da câmara até à Igreja Matriz onde terá lugar a missa Rociera com a participação de Frei Hermano da Câmara e do Coro “Aire d’el Camino”. A homilia presidida pelo Padre Victor Gonçalves é o momento religioso da festa. Terminada a missa, fadistas de Vila Franca cantam na escadaria da Igreja para satisfação de dezenas de espanhóis e centenas de lusos que apreciam o fado castiço. A primeira espera de toiros será às 22h00 e quando os animais saírem dos curros atrás dos campinos montados a cavalo, já estarão milhares de aficionados nas ruas. Os primeiros ‘Olés’ da festa ecoam e os mais afoitos começam a arriscar com recortes na cara dos toiros. A noite continua animada com fado no Palco do Mártir Santo e concerto com “Anjos” no palco da juventude junto à PSP.Sábado é o dia maior do Colete Encarnado e o campino é a figura principal da festa. De manhã já provas de condução de cabrestos e corridas de campinos e às 16h00 será a homenagem ao campino seguida de desfile pelas ruas da cidade. A espera de toiros é às 18h30 e a noite é de sardinha assada com distribuição de sardinha, pão e vinho gratuitos para todos os visitantes. Já com uma boa parte dos convivas mais animados, Haverá música para todos os gostos e animação itinerante com bandas, tunas, folclore e fado nas ruas da cidade e nos palcos descentralizados.No palco principal, junto da PSP actua a orquestra espanhola ‘Loucura Latina’. A noite promete e a madrugada também. Às 02h00 será a garraiada na praça de toiros e no final haverá distribuição de caldo verde gratuito nas ruas. Pela manhã há nova espera de toiros (10h30) e a animação continua à tarde “para quem ainda tiver forças”, como sublinha a presidente da câmara ao realçar que “a festa nunca pára”. Folclore e música popular no jardim municipal, espectáculos infantis no largo da câmara animação itinerante com a orquestra Xira Brass, nas ruas, antecedem a Corrida de Toiros do Colete Encarnado às 17h30.A noite de domingo é dedicada ao concerto com o fadista Camané e a festa termina com o lançamento de fogo de artifício no rio Tejo.António ‘Guarda’ recebe pampilho com o nome de ‘Pedro da Foz’ António Marramaque, conhecido como António ‘Guarda’, foi o campino escolhido pelos seus pares para ser homenageado no Colete Encarnado. Homem pequeno, mas de grande valentia e destreza, António ‘Guarda’ tem 63 anos e 54 dedicados à campinagem, arte que herdou do pai com 9 anos. O campino que nasceu na Barrosa (Benavente) e trabalhou em várias casas agrícolas da região está perto da reforma, mas quer ficar ligado aos toiros e vai dedicar-se a fazer cabrestos e varas para campinar, aproveitando a arte manual. “Tenho de me entreter. Parar é morrer”, refere com a determinação de um vencedor.No sábado à tarde, António ‘Guarda’ recebe o pampilho de honra com o nome de Pedro Artilheiro, ‘Pedro da Foz’ para os amigos que choraram a sua partida no Colete Encarnado de 2006 depois de uma doença oncológica que foi a colhida mais dura duma vida dedicada ao campo e aos toiros. Vai ser um dos momentos mais emotivos na vida de António ‘Guarda’. A família e dezenas amigos vão estar ao seu lado para lhe agradecer o campino e o homem que tem sido ao longo duma vida de trabalho.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1352
    24-05-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1352
    24-05-2018
    Capa Vale Tejo