Desporto | 24-09-2017 10:08

Vitória de Santarém é o terceiro clube do país com mais atletas federados de futsal

Vitória de Santarém é o terceiro clube do país com mais atletas federados de futsal

António Pardelhas é o presidente do clube que comemorou 12º aniversário em Agosto.

Apesar de ser um clube jovem – completou 12 anos em Agosto – o Vitória Clube de Santarém é já o terceiro clube do país com maior número de atletas federados na modalidade de futsal, o que lhe dá responsabilidades acrescidas. “Este crescimento deve-se a muito trabalho e empenho dos dirigentes do Vitória e dos seus atletas. Consideramo-nos uma família e isso ajuda muito no nosso sucesso. Com pouco conseguimos fazer muito”, afirma o presidente do clube, António Pardelhas, a O MIRANTE.

António Pardelhas, de 61 anos, é o sócio número 1 do Vitória Clube de Santarém (VCS) e um adepto fervoroso. O clube começou a dar os primeiros passos em 1995, no Alto do Bexiga. O seu filho mais velho, Sérgio Fernandes, na altura com 14 anos, jogava futebol na rua onde morava com outros amigos. Um dia desafiaram o actual presidente do clube para criarem um clube. Como não tinham idade suficiente para o fazer, pediram ajuda a António Pardelhas, que aceitou o desafio. No entanto, com burocracias e falta de tempo as coisas foram sendo adiadas até que no dia 11 de Agosto de 2005 o Vitória foi finalmente criado.

Começaram com 14 atletas e na última época inscreveram 174 atletas nos vários escalões. Na época que agora começou pretendem continuar a crescer. O VCS é um clube de futsal com equipas de petizes, benjamins, traquinas, infantis, iniciados, juvenis e juniores. Têm também duas equipas femininas. Este ano decidiram fazer uma pausa na equipa de seniores e optaram por criar uma equipa de sub23. “Queremos dar continuidade à formação dos jogadores. Os atletas que acabaram a sua formação enquanto juniores têm a possibilidade de continuar a ser atletas do Vitória Clube de Santarém em sub23”, refere.

O dirigente explica porque optaram por não continuar com a equipa de seniores. “Decidimos fazer esta pausa na equipa sénior, que não sabemos até quando será, porque o clube estava a ir por um caminho em que poderia afundar-se financeiramente. Não tínhamos estrutura nem capacidade para termos uma equipa sénior nos moldes em que tínhamos. Vinham jogadores de Lisboa, o que implicava muitos custos, e o Vitória Clube de Santarém corria o risco de não sobreviver a gastos tão elevados. Por isso optamos por fazer esta reformulação e apostarmos na formação”, sublinha, acrescentando que vão manter ainda duas equipas de veteranos no clube.

* Entrevista completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Médio Tejo