Economia | 24-01-2010 15:02

Agricultores "revoltados" com centralização do parcelário na Direcção Regional de Agricultura

Os agricultores do Ribatejo dizem-se “revoltados” com a opção do director regional de Agricultura em centralizar a inscrição e actualização do parcelário na Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo. Em reunião realizada sexta-feira em Santarém, entre as associações de agricultores da região e a direcção da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), os dirigentes agrícolas fizeram sentir essa preocupação que, na sua óptica, vai gerar situações de congestionamento de serviços e pode levar a que muitos agricultores não se possam candidatar às ajudas directas comunitárias.O parcelário é um instrumento administrativo que permite aos agricultores fazerem a inscrição ou a actualização dos terrenos que pretendem cultivar nesse ano, indicando o que pretendem produzir e qual a área geográfica da sua parcela de terreno. Segundo o presidente da CAP, João Machado, foi pedido ao ministério que possibilitasse a descentralização deste procedimento para as associações de agricultores, uma medida que foi aceite pelo ministro da Agricultura que delegou nas direcções regionais essa decisão. Esta proposta foi aceite em todas as direcções regionais à excepção do Algarve e do Ribatejo, onde a Direcção Regional de Agricultura de Lisboa e Vale do Tejo decidiu prescindir dessa descentralização de serviços. O problema é que, segundo a CAP, só existem três locais de atendimento na região onde se pode fazer este procedimento e em cada um só existe um funcionário a tratar destes processos, por um período de três meses. Segundo as associações de agricultores, cada processo de parcelário demora entre uma a três horas para ser resolvido e os serviços só funcionam em horário normal de oito horas, o que pode levar a um “congestionamento” e a “filas intermináveis” que obrigam os agricultores a esperar horas para serem atendidos. “Todos os anos existe muita mobilidade de terrenos, nomeadamente nesta zona em que existem muitos seareiros que arrendam terrenos e precisam de os registar para poderem receber as ajudas comunitárias”, acrescenta João Machado.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo