Economia | 20-02-2018 15:15

Santarém quer arranjar mais áreas para acolher empresas

Santarém quer arranjar mais áreas para acolher empresas
Foto - google

Há contactos em curso com proprietários para que possam ser aproveitados lotes que se encontram sem préstimo na zona industrial da cidade.

A Câmara de Santarém quer criar mais áreas para instalação de empresas na zona industrial da cidade estando em curso contactos com proprietários de alguns lotes sem utilização no sentido de estes ficarem disponíveis para potenciais interessados. São algumas situações para tentar resolver no presente mandato, disse o presidente do município, Ricardo Gonçalves (PSD), em reunião do executivo.


O assunto foi levantado pela bancada do PS, tendo o vereador socialista André Lopes afirmado que Santarém não é um município conhecido no meio empresarial por ser muito pró-activo na captação de investimento, nomeadamente no sector das tecnologias. E defendeu que o presidente e o vereador desse pelouro devem ser mais pró-activos nesse capítulo junto das empresas.


Ricardo Gonçalves respondeu dizendo que no concelho de Santarém foram criadas 167 novas empresas em 2017, valor que corresponde a quase 28 por cento do total da sub-região da Lezíria do Tejo, composta por 11 municípios. “Não há comparação possível com os outros municípios”, referiu o presidente, acrescentando que, em termos de exportações, o concelho de Santarém também teve um crescimento acima da média nacional. Mas concorda que falta na cidade um pólo tecnológico e manifestou a esperança de que o Instituto Politécnico de Santarém possa criar no “curto/médio prazo” mais respostas formativas nessa área do conhecimento.


O presidente da câmara deu ainda o exemplo da Font Salem, que anunciou recentemente investimentos de 40 milhões de euros para duplicar a produção da sua fábrica em Santarém, e de uma empresa do sector da pedra da zona de Alcanede que também vai investir bastante no desenvolvimento da sua actividade, para destacar o dinamismo de empresas já instaladas no concelho.


O vereador com o pelouro do Desenvolvimento Económico, Nuno Serra (PSD), também sublinhou que o concelho tem recebido investimentos de empresas de vulto e destacou que nos últimos três anos foram criados, em média, 730 postos de trabalho no concelho, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística. Ainda assim considerou também essencial criar espaços para instalar mais empresas que queiram fixar-se no concelho.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1356
    20-06-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1356
    20-06-2018
    Capa Médio Tejo