Empresa da Semana | 28-07-2011 10:36

Mina Velha reabriu há três meses com nova gerência

Mina Velha reabriu há três meses com nova gerência
O Mina Velha é um restaurante com requinte com preços acessíveis a todas as bolsas. O novo gerente do espaço que reabriu o restaurante há cerca de três meses, João Lopes, quer desmistificar a ideia preconcebida que existe do Mina Velha ser um restaurante caro. Uma refeição completa, integrada no Menu do Dia, custa oito euros. João Lopes defende que, como em qualquer restaurante, existem pratos mais caros que outros mas é possível fazer uma refeição a preços acessíveis.O restaurante está situado na urbanização Quinta das Fontainhas, em Santarém. Com capacidade para uma centena de pessoas o espaço tem um jardim onde os clientes podem usufruir da esplanada. O parque de estacionamento é espaçoso. O restaurante faz festas de baptizado, jantares e almoços de grupo. Em alguns jantares de aniversário, quando os clientes pedem, há karaoke para animar a festa. O restaurante dispõe de ementa diversificada. Bife três pimentas, bife café, bife quatro queijos, migas de espargos com entrecosto, lombinhos de porco com mel e alecrim, polvo à lagareiro, bacalhau à casa, bacalhau com natas, cataplana de marisco, gambas de caril e massada de cherne são alguns dos pratos que pode degustar. Massada de cherne, cataplana de marisco e bife à Mina Velha são os pratos mais procurados pelos clientes. A ementa é feita tendo em conta o gosto gastronómico do gerente. “São os pratos que sei fazer caso falte algum empregado. Tenho que estar preparado para os imprevistos”, explica o empresário a O MIRANTE. Doce da casa, serradura, pudim de ovos, delícia de manga e de maracujá e farófias são alguns dos doces, todos caseiros, que pode provar.João Lopes está à frente do Mina Velha desde Abril deste ano mas já trabalhava no ramo da restauração há alguns anos. Possui outro restaurante perto do Hospital que entretanto alugou para apostar neste projecto. Depois de vários anos a trabalhar como vendedor automóvel decidiu trabalhar por conta própria quando soube que ia ser pai. Num negócio que lhe desse mais estabilidade. Aceitou o convite do padrinho para trabalhar no seu restaurante na Suíça onde viveu dois anos e onde se aperfeiçoou na sua nova actividade profissional.O empresário garante que não se arrepende da decisão que tomou ao mudar de actividade profissional mas não descarta conciliar o trabalho no restaurante com o mercado automóvel. Depois de três meses de actividade diz que ainda é cedo para fazer balanços. “A conjuntura económica que o país e o mundo atravessam não é a melhor. Estou mais preocupado em ‘fazer’ a casa e conquistar clientes. Havendo uma boa carteira de clientes o negócio só pode ser rentável”, considera.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Médio Tejo