Política | 04-05-2009 07:46

Sala polivalente substitui centro social no Biscainho

A freguesia do Biscainho, no concelho de Coruche, vai ter uma sala polivalente para a realização de diferentes actividades. Câmara de Coruche e junta de freguesia acordaram um protocolo de delegação de competências para seja a junta a assumir a construção da sala, por questões de celeridade e gestão financeira.A Junta do Biscainho recebe o direito de superfície do prédio. No entanto no protocolo, a vigorar em 2009 e 2010, não vem estipulada uma verba que acompanhe a delegação de competências. O presidente da Câmara de Coruche diz que não há nada de estranho num protocolo de descentralização de competências que, no caso da freguesia da Lamarosa, também foi aprovado para a construção de uma casa mortuária pela junta local. “A seu tempo, se a câmara o entender, será submetida ao executivo uma deliberação para o respectivo financiamento”, garante Dionísio Mendes (PS).A sala polivalente vem substituir o centro social que era partilhado pela Junta do Biscainho e pela sua congénere de Foros da Charneca (Benavente). No entanto as colectividades do Biscainho vinham enfrentando cada vez maiores dificuldades em usufruir do espaço e a Câmara de Coruche resolveu a vender a sua parte na propriedade do centro por 35.337,83 euros à Câmara de Benavente. O negócio foi consumado em 24 de Agosto de 2005 (ver edição 31 Agosto 2005), mas sempre teve a oposição da junta, com Joaquim Paulino (CDU) à frente, e assembleia de freguesia. Em Novembro de 2007, o Ministério Público arquivou uma queixa apresentada pela assembleia de freguesia do Biscainho para anulação do negócio. Na altura o presidente da junta, Joaquim Paulino disse esperar que o projecto para construção de um centro social fosse concluído pela câmara com a maior brevidade. Sendo acompanhado por Dionísio Mendes que afirmava que tudo se encontrava em fase de projecto e que a obra deveria ser concluída até final do mandato. Durante a discussão do protocolo para construção da sala polivalente – aprovado com 22 votos a favor e seis abstenções - na assembleia municipal de quinta-feira, dia 30, Armando Rodrigues (CDU) questionou onde é que a junta de freguesia vai arranjar o dinheiro. E foi apoiado por Luís Alberto Ferreira, autarca do Couço, que considerou que o seu congénere do Biscainho está a ser enganado ao aceitar um aquele género de protocolo. Joaquim Paulino, que ultimamente tem votado ao lado do PS nas grandes decisões da assembleia, disse ter ficado indignado com os votos contra a proposta pelos vereadores da CDU no executivo. E justificou que se a junta não tiver dinheiro para a fazer a obra se irá dirigir à câmara para obter financiamento.Dionísio Mendes diz que o projecto do centro social para o Biscainho não é substituído pela obra da sala polivalente. Reitera que a decisão da junta diz respeito à resposta a carências para a realização de convívios. O rancho folclórico não tem espaço para ensaios e outras actividades. Recorde-se que a 25 de Abril a Junta da Fajarda inaugurou um auditório com capacidade para mais de 100 espectadores ao lado da sede da junta, financiado com meios próprios. Custou cerca de 100 mil euros, sem apoio camarário.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo