Política | 31-01-2010 08:39

PSD de Abrantes critica “passividade” da autarquia em relação às questões de segurança no concelho

Os vereadores do PSD de Abrantes, Santana Maia Leonardo e António Belém Coelho, criticam a “passividade” com a qual o actual executivo camarário, liderado por uma maioria socialista, tem tratado as questões de segurança no concelho, considerando que reina em Abrantes “um clima de terror”. Recentemente, foram assaltadas no concelho algumas escolas, duas casas particulares, a sede dos Escuteiros de Chainça e a Associação do Paúl. Algumas viaturas foram riscadas e sofreram danos mas o pico de violência aconteceu no sábado, 23 de Janeiro, quando pai e filha foram espancados por dois menores à porta de casa na Calçada de São José, quando tentavam defender a sua viatura de sofrer danos. Numa conferência de imprensa que se realizou na tarde de sexta-feira, 29 de Janeiro, e na qual também esteve presente a presidente da comissão política, Manuela Ruivo, Santana Maia-Leonardo considera que é necessária “uma liderança mais forte” e que a actual presidente de câmara, Maria do Céu Albuquerque (PS) devia “falar directamente” com os jovens que causam este tipo de distúrbios na cidade. O vereador social-democrata aponta ainda que a actual presidente de câmara deveria reunir com todos os responsáveis das forças de segurança de modo a assegurar uma maior vigilância das zonas onde os desacatos são mais frequentes como é o caso do Centro Comercial Millenium, Rua 25 de Abril e Calçada de São José. Maria do Céu Albuquerque, por seu lado, disse recentemente a O MIRANTE que está muito preocupada com esta “questão de fundo”, acrescentando que pretende levar à próxima reunião de câmara, a 1 de Fevereiro, uma proposta que visa a implementação de uma estrutura que promova uma maior segurança no concelho.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Médio Tejo