Política | 24-12-2010 08:13

CDU de Constância dividida relativamente ao empréstimo a contrair pela Resitejo

A Assembleia Municipal de Constância reprovou a proposta de contracção de um empréstimo de meio milhão de euros pela empresa intermunicipal Resitejo - Associação de Gestão e Tratamento dos Lixos do Médio Tejo. Uma operação financeira destinada a fazer face a dificuldades de tesouraria decorrentes de dívidas acumuladas por alguns municípios associados e outros clientes da empresa, que já ascendem a 5,5 milhões de euros. A proposta tinha sido aprovada por unanimidade pelo executivo camarário de maioria CDU, mas na sessão da assembleia municipal de 22 de Dezembro a bancada da CDU, composta por 10 elementos, votou contra, tal como o eleito do PSD. Só os 7 eleitos do PS votaram a favor, seguindo a posição dos seus vereadores na Câmara de Constância. Na sua declaração de voto, os eleitos da CDU referem que à data de 18 de Outubro passado apenas os municípios de Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere e Tomar tinham pago facturas relativas a 2010 pela deposição do seu lixo no sistema. Acrescentam que o município de Santarém, com cerca de 1,8 milhões de euros de dívida, tinha facturação em atraso desde 2007, enquanto Alcanena, Golegã, Torres Novas e Barquinha tinham facturas em atrasos desde 2008 e Chamusca desde 2009. A bancada da CDU considera que o município de Constância deve manter os seus pagamentos em dia e que “não devem ser os municípios com as contas regularizadas a suportar custos indirectos, que lhe são alheios, para suportar encargos de outros”. O empréstimo em causa tem que ser aprovado pela maioria dos municípios que integram a Resitejo, o que deve suceder apesar de nem todos ainda se terem pronunciado. Até à data, só o executivo da Câmara Municipal do Entroncamento recusou, por unanimidade, dar o seu aval à operação. Os autarcas do Entroncamento também não aceitaram que o seu município tenha de arcar com as consequências das dívidas de outros. A Câmara de Tomar acabou por autorizar o empréstimo mas vai reflectir sobre a sua permanência na Resitejo. O sistema de resíduos da Resitejo entrou em funcionamento em Maio de 1999 e serve uma população de 216.513 habitantes. É constituído por um aterro sanitário e uma central de triagem, situados na Carregueira (Chamusca). Os municípios que constituem a empresa são: Alcanena (PS), Chamusca (CDU), Constância (CDU), Entroncamento (PSD), Ferreira do Zêzere (PSD), Golegã (PS), Santarém (PSD), Tomar (PSD), Torres Novas (PS) e Vila Nova da Barquinha (PS).

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo