Política | 19-10-2013 00:17

Tomada de posse em Ourém sem euforia nem festejos

Ao contrário do que aconteceu há quatro anos quando Paulo Fonseca conquistou a presidência da Câmara de Ourém com maioria absoluta, a nova tomada de posse foi muito apagada e sem festa. Paulo Fonseca não festejou e nem houve braços no ar em triunfo apoteótico como da primeira vez. Na verdade, o mais sorridente e confiante era o vereador Vítor Frazão, ex-presidente de câmara e candidato pelo PSD, que nestas eleições concorreu pelo movimento independente MOVE.Paulo Fonseca venceu com 120 votos de diferença para a coligação PSD/CDS tendo perdido a maioria absoluta e um vereador. O mandato que agora se inicia vai ter três vereadores do PS, três da coligação PSD/CDS e um vereador independente. Paulo Fonseca assinou esta semana um compromisso de governabilidade com Vítor Frazão para governar com “tranquilidade”. A cerimónia decorreu na noite desta sexta-feira, 18 de Outubro, no cine-teatro da cidade. Na eleição para a assembleia municipal houve surpresas. Apesar da coligação PSD/CDS ter ganho a eleição – nas autárquicas de 29 de Setembro - para a assembleia municipal por mais de 1400 votos de diferença para o PS, foi a candidata da lista socialista (a 2ª mais votada), Deolinda Simões, que foi reeleita presidente da Assembleia Municipal de Ourém.A lista apresentada pelo PSD/CDS, liderada por João Moura, perdeu a eleição para a mesa da assembleia municipal por apenas um voto. Dos 34 eleitos, incluindo os 13 presidentes de junta de freguesia, a lista do PS obteve 17 votos enquanto a lista da coligação conseguiu 16 votos. Houve um voto em branco.* Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1376
    07-11-2018
    Capa Vale Tejo