uma parceria com o Jornal Expresso
21/07/2017
30 anos do jornal o Mirante
Assine O Mirante e receba o jornal em casa
Política | 18-07-2017 01:15
Barreiras de Santarém entram na campanha eleitoral
POLÉMICA
Candidato do PS criticou inoperância da gestão PSD à frente do município por ainda não ter sido reaberto o troço da EN 114 entre a cidade e a ponte D. Luís. Presidente da câmara e recandidato ao cargo acusa-o de demagogia.

O presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves (PSD), respondeu na reunião do executivo desta segunda-feira, 17 de Julho a declarações do cabeça de lista do PS à câmara, Rui Barreiro - que reclamou uma rápida abertura de um troço da EN 114 que está cortado há quase três anos entre a cidade e a ponte D. Luís, devido a um deslizamento de terras na encosta de Santa Margarida - , recordando que aquela via é tutelada pela empresa pública Infraestruturas de Portugal, que por sua vez depende do Governo. E disse que o seu adversário tem obrigação de saber isso e que está a fazer demagogia com o assunto.

Ricardo Gonçalves sublinhou também que a estrada está cortada por recomendação do LNEC (Laboratório Nacional de Engenharia Civil), que desaconselhou a sua reabertura enquanto não for construído um muro de suporte na base da encosta que garanta a segurança dos utilizadores. O cronograma da obra aponta para que no final deste ano o troço possa ser reaberto ao trânsito, acrescentou.


O presidente da câmara corrigiu também uma notícia publicada na sequência da visita de uma comitiva socialista à zona da encosta onde a empreitada, já adjudicada e consignada, tarda em arrancar, referindo que o município não vai pagar metade da obra, orçada em cerca de 5 milhões de euros, mas sim metade da comparticipação nacional, já que a intervenção é comparticipada em 85% por fundos comunitários. Ou seja, a autarquia vai entrar com 7,5% do valor total.



“A intervenção global está previsto que termine em Junho de 2019. Há muito tempo de trabalho pela frente”, declarou Ricardo Gonçalves, lembrando que, após a garantia de financiamento pela União Europeia, os procedimentos burocráticos e administrativos e a necessidade de o processo passar pelo crivo do Tribunal de Contas levaram ao arrastamento temporal. A empreitada foi consignada em Março e desde aí tem condições para arrancar. Mas até à data não se têm visto trabalhos no local, o que tem motivado algumas críticas e questões.



Na página da sua candidatura na rede social Facebook, Rui Barreiro publicou que “Não é aceitável que a estrada nacional 114 esteja cortada ao trânsito há três anos. Não é aceitável que uma estrada nacional, que liga a capital de distrito ao sul do país, continue encerrada há tanto tempo. Independentemente de quem gere as estradas, o município tem grandes responsabilidades nesta situação, por não saber defender os interesses de Santarém”.



Notícia mais detalhada na próxima edição de O MIRANTE.

Comentários
Mais Notícias
    A carregar...
    Edição Semanal
    Edição nº 1308
    19-07-2017
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1308
    19-07-2017
    Capa Médio Tejo