uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Despeja frasco de piripiri na vagina da namorada do ex-marido

Despeja frasco de piripiri na vagina da namorada do ex-marido

Caso em julgamento envolve duas colegas de trabalho do concelho de Ourém

Edição de 06.12.2017 | Sociedade

Uma mulher de Ourém não gostou de saber que o ex-marido estava a ter um relacionamento amoroso com uma colega de trabalho desta e protagonizou uma agressão invulgar, ao despejar um frasco de piripíri na vagina da rival, segundo acusa o Ministério Público. A arguida, actualmente com 43 anos, está indiciada de, com a ajuda de um cúmplice munido de uma faca, sequestrar a colega e obrigá-la a abrir as pernas onde “colocou uma grande quantidade” de picante na vagina da ofendida. “O que lhe provocou fortes dores”, sustenta o Ministério Público, que investigou o caso ocorrido em 2011 e que agora está em julgamento no Tribunal de Santarém.
A situação foi espoletada por uma mensagem de telemóvel que a vítima pensou ter mandado para o namorado, mas que por engano foi para o telemóvel da agressora. Nessa mensagem, segundo a acusação, ficou perceptível que existia uma relação amorosa que não era do conhecimento da arguida. Paula, movida por ciúmes, engendrou um esquema ardiloso e aproveitou-se do facto de habitualmente dar boleia à vítima para o local de trabalho, para se vingar. Sem que desse a entender que já sabia do relacionamento, combinou encontrar-se com a rival num café em Ourém, para depois se deslocarem para o emprego no concelho de Pombal.
Por volta das 8h30 do dia 29 de Julho de 2011, as duas meteram-se no carro e Paula conduziu o veículo em direcção a Alvaiázere, com a desculpa que lhe estava a apetecer comer um bolo, o que, diz o Ministério Público, não levantou suspeitas. A dada altura da viagem, a arguida inventou que estava com dor de barriga e parou o carro numa estrada de terra batida, num pinhal, com a desculpa de que ia fazer as necessidades fisiológicas. Mas em vez de ir aliviar-se arrancou o telemóvel das mãos da vítima e deu-lhe a entender que estava metida em apuros. “Enganaste-te! Mandaste a mensagem para a pessoa errada! E estás f… que eu não estou sozinha”, disse a arguida na mesma altura em que surge o seu cúmplice, um brasileiro, que estava escondido no local, e que puxou a ofendida pelos braços para fora do carro.

Mais de uma hora de terror
Ainda antes do episódio do piripiri, os dois arguidos sujeitaram a vítima a alguns momentos de terror. Foi obrigada a dar o código do telemóvel para que Paula consultasse as mensagens e o cúmplice, de seguida, atirou-a ao chão e colocou-lhe um pano na boca para a impedir de gritar. A arguida passou à acção puxando as calças e as cuecas da ofendida e perante a recusa em abrir as pernas, ameaçou que a amarrava com uma corda. “Receando o que lhe pudessem fazer”, acabou por obedecer, mal sabendo que ia sofrer de dores com o líquido picante.
Os dois agressores, ainda não satisfeitos, obrigaram a vítima a telefonar para o patrão a dizer que não voltava mais ao trabalho e que deveria entregar o salário que tinha a receber à arguida. E para concluir o serviço, Paula agrediu a rival na zona lombar com uma corda enquanto o cúmplice a agredia também com uma toalha molhada nas zonas lombar, abdominal e na cabeça. Antes de a transportarem de volta ao café de Ourém, a arguida ainda lhe cortou o cabelo e avisou-a de que se fizesse queixa a alguém que iria pagar por isso. Na viagem de regresso, a vítima suplicou que a deixassem ir embora mas teve de se sujeitar a estar com os agressores pelo menos uma hora, tempo que demorou a viagem. A ofendida acabou por apresentar queixa às autoridades após muita insistência do namorado.
Os dois arguidos respondem pelos crimes de sequestro, roubo, coacção agravada. Paula está ainda acusada de um crime de ameaças agravada e o seu cúmplice de um crime de detenção de arma proibida. O crime com a moldura penal mais pesada é o de sequestro, que prevê a prisão entre dois e dez anos, seguindo-se o de roubo, com pena de um a oito anos de prisão.

Despeja frasco de piripiri na vagina da namorada do ex-marido

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...