uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Última Página: Abaixo as touradas. Vivam as touradas.

A corrida de O MIRANTE no Campo Pequeno foi um espectáculo que deu gosto ver. Confesso a minha paixão pela festa brava que é mais devida à emoção que à razão.

Edição de 26.07.2018 | Opinião

A corrida de O MIRANTE no Campo Pequeno foi um espectáculo que deu gosto ver. Confesso a minha paixão pela festa brava que é mais devida à emoção que à razão. O facto de ter militado durante um tempo nos forcados, ainda que curto, deixou marcas. Na última quinta-feira, com a realização de algumas pegas, entre elas a dos dois forcados do Grupo da Chamusca (Bernardo Borges e Francisco Borges), que silenciaram a praça, percebi melhor as razões que levam, em certos casos, as minhas emoções a sobreporem-se às minhas razões.
Os forcados, que são os parentes pobres da festa, valeram o dinheiro do bilhete. O ganadeiro Joaquim Alves de Andrade, que já tinha assumido em entrevista a O MIRANTE que não é só criador de bois, foi ao centro da praça duas vezes, o que diz bem da qualidade do curro de touros que levou para Lisboa.
O público, como por magia, de vez em quando começava a bater palmas, de forma cadenciada e quase musical, a puxar pelos artistas, como se fizesse parte de uma plateia paga para animar o espectáculo. Nem parecia que estávamos numa corrida de toiros em Portugal. Até o tempo da corrida foi quase perfeito. E os toureiros que não brilharam também não foram receber as flores e os aplausos a favor.
A noite de quinta-feira, 19 de Julho, parecia uma noite como outra qualquer, mas no Campo Pequeno os homens da festa brava, artistas e organização, contribuíam para o futuro do espectáculo como há muito tempo não éramos testemunhas.
Não sei se este exemplo é para continuar ou se serve de alguma coisa para a preservação em Portugal dos espectáculos taurinos e das muitas tradições associadas à tauromaquia. Acredito que sim. Por isso escrevo e dou conta das emoções independentemente das razões.
Uma última nota para os militantes anti-taurinos que se concentram habitualmente a poucos metros da praça do Campo Pequeno em dia de espectáculos. Na noite de quinta-feira fui junto do grupo e sentei-me por perto a fazer número enquanto eles e elas dançavam e se divertiam exibindo pequenos cartazes na mão. Tudo muito civilizado, ao contrário de tempos ainda muito recentes em que berravam e faziam figuras que não se ajustam a pessoas que se consideram intelectualmente evoluídas, quanto mais civilizadas. Deixo aqui o meu apreço pela luta dos que defendem as suas emoções independentemente das razões. Eu também acho que as corridas de toiros podem ser melhor regulamentadas. Falo do regulamento que proíba a interdição do espectáculo a crianças até uma certa idade, a extinção das bandarilhas com arpões e, para ser sucinto, a contratação de veterinários que não sejam afectos à organização para que assegurem uma embola sem corrente eléctrica e outras barbaridades que, em muitas praças, ainda são facilmente praticáveis sem a justa condenação. JAE

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...