As nossas exportações

A Nersant, enquanto associação empresarial vocacionada para o aumento da competitividade das empresas da região, tem colocado como uma das suas prioridades de intervenção, o apoio e incentivo ao crescimento das exportações do tecido empresarial regional.
A meta tem sido sempre de potenciar o crescimento médio percentual acima do correspondente nacional. As nossas empresas, os nossos empresários, os nossos gestores e colaboradores das empresas têm demonstrado qualidade, determinação e resiliência, que tem como resultado um maior desenvolvimento e distribuição da riqueza na nossa região.
A análise que aqui desenvolvemos, respeita às Exportações de Bens, não englobando os Serviços, numa base comparativa de 2013 versus 2017 (dados provisórios), num período de cinco anos, o que confere mais solidez na análise. Os valores respeitam às NUT´s III da Lezíria do Tejo e do Médio Tejo.
Em termos globais, Portugal cresceu 16,3% (+ 7,7 mil milhões de euros), enquanto que o crescimento na Leziria e no Médio Tejo foi de 21,6% (+ 320,8 milhões de euros).
Assim, em termos percentuais, a nossa região cresceu mais 5,3 pontos percentuais, conforme se pode verificar pelo quadro abaixo:

No que respeita à comparação regional, o Médio Tejo obteve um crescimento de 28,9% (+ 202,9 milhões de euros), enquanto que a Lezíria do Tejo só cresceu 15,1% (+ 117,9 milhões de euros), tendo sido ultrapassada em volume global (diferença de 5,6 milhões de euros).
O concelho mais exportador é Abrantes (315 milhões de euros), seguido da Azambuja (234 milhões de euros) e Benavente (205 milhões de euros).
Analisando o crescimento relativo no período de 2013 a 2017, o concelho de Abrantes lidera com mais 62,4%, seguindo-se Alpiarça (+46,6%) e Almeirim (38,9%). Ao invés, Vila do Rei (-99,6%), Sardoal (-88,2%) e Vila Nova da Barquinha (-70,7%) diminuíram muito as suas exportações.

Estes números, globalmente são muito animadores e reforçam a necessidade de continuarmos a aposta nas nossas empresas.
Contudo, será importante compreender a evolução das exportações no período 2016 a 2017:

Podemos retirar as seguintes conclusões:
A Lezíria do Tejo cresceu mais (+11,1%) que o Médio Tejo (8,2%); O concelho de Abrantes foi o que cresceu mais em termos absolutos (+58,6 milhões de euros). Na Lezíria do Tejo, foi Santarém que registou maior crescimento absoluto (+ 27,2 milhões de euros);
Em termos percentuais, os concelhos da Chamusca (1.142,2%), Ferreira do Zêzere (125,9%) e Entroncamento (23,9%), foram os que registaram maior crescimento;
Na Lezíria, nenhum concelho registou crescimento negativo; No Médio Tejo, os concelhos que registaram crescimento negativo foram Mação (-37,3%), Alcanena (-22,2%), Vila Nova da Barquinha (-11,9%), Tomar (-9,5%) e Sertã (-8,1%).
É neste sentido que faz toda a diferença a criação de condições para valorizar o produto das nossas empresas, ajudar a encontrar parceiros internacionais para os negócios e realizar encontros de negócios internacionais, como o que se realizará em Tomar, nos dias 15, 16 e 17 de Outubro próximo, enquadrado no 7º Encontro de Negócios – Nersant Business 2018, que já conta com inscrições de empresários de 36 países.
Artigo da responsabilidade da Nersant

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo