Sociedade | 06-01-2005 11:30

À caça de “aceleras”

A marca, a cor e a matrícula não podem ser divulgadas, mas o aviso é real: eles andam aí e, para que não hajam dúvidas, filmam tudo. São os carros equipados com vídeo da Brigada de Trânsito, tão temidos pelos condutores. O MIRANTE viajou num deles e viu condutores a mais de 180 quilómetros por hora.No parque de estacionamento da Brigada de Trânsito (BT) de Santarém o cabo Carlos Campos introduz uma cassete num gravador vídeo instalado na bagageira do carro. A fita vai registar os excessos de velocidade ao longo da tarde na Auto-Estrada 1. Passam poucos minutos das 13h00 de quinta-feira, 30 Dezembro, quando o soldado Almirante Silva puxa pelo motor de 2 mil centímetros cúbicos em direcção ao Porto. Num pequeno monitor no tablier do carro, Carlos Campos vai vigiando os carros que circulam à sua frente. No canto inferior direito a máquina dá-lhe a velocidade a que o seu colega circula. No canto oposto agitam-se os números relativos à velocidade da viatura que está na mira da câmara instalada perto do espelho retrovisor.Não há muito trânsito. À primeira vista também não há sinais de “aceleras”. Alguns, diz a experiência do cabo da BT, há dois anos no serviço de controlo de velocidade, detectam-se logo à distância pela forma como conduzem. “Hoje vamos até Coimbra porque temos uma mensagem urgente para entregar”, avisa.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo