Sociedade | 07-02-2005 17:00

Câmara de Ourém quer empresa para gerir requalificação urbana de Fátima

O presidente da Câmara de Ourém, David Catarino, anunciou hoje a criação de uma empresa municipal para gerir a recuperação urbana de Fátima, da zona poente à nova igreja da Santíssima Trindade, entre o Santuário e a A1.Em declarações à Agência Lusa, David Catarino explicou que a autarquia pretende criar uma Sociedade de Requalificação Urbana (SRU) para a cidade de Fátima, responsável o plano de pormenor daquela área, ordenando o território e o cadastro dos terrenos e dotando-os de infra- estruturas de água e saneamento.Os custos das intervenções serão depois debitados aos proprietários, permitindo a requalificação total da zona junto à avenida Papa João XXIII.Nesse sentido, a Assembleia Municipal aprovou recentemente a classificação da zona como área crítica, pedido que será encaminhado para o Governo e, posteriormente, a autarquia pretende criar uma empresa que irá gerir o plano de pormenor.A zona apresenta vários problemas de ordenamento, com povoamentos irregulares e falta de acessos, mas a autarquia pretende transformar aquele espaço num "prolongamento da cidade de Fátima, mas com qualidade".De acordo com a proposta da autarquia, "o crescimento rápido, feito de forma incoerente e sem enquadramento em instrumento de planeamento adequado, determinou a imagem algo desqualificada urbanisticamente que está hoje ligada a Fátima e a esta zona em particular".Além de novas habitações e áreas comerciais, a autarquia pretende instalar na zona o futuro centro de congressos de Fátima, vocacionado para grandes encontros, colóquios ou feiras económicas, que pretende ser uma referência fora de Lisboa e Porto.No entanto, a proposta está a ser contestada pela oposição socialista, que reclama o alargamento da classificação como área crítica de toda a cidade, devido aos problemas de ordenamento existentes na área urbana.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1352
    24-05-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1352
    24-05-2018
    Capa Vale Tejo