Sociedade | 19-02-2005 11:58

Protótipo de Casa Solar vai mostrar vantagens da energia fotovoltaica

O baixo consumo energético e a utilização de materiais de baixa produção de energia são duas das características de uma habitação designada Casa Solar, cujo protótipo vai "nascer" no Tecnopólo da cidade alentejana de Moura.

O projecto da Casa Solar, a apresentar no dia 26, foi concebido pela arquitecta Cláudia Melo e conta com a colaboração da Câmara Municipal de Moura, concelho para onde está prevista a instalação de uma central solar fotovoltaica (cuja construção deve arrancar este ano).Em declarações à Agência Lusa, José Maria Pós-de-Mina, presidente da autarquia, explicou hoje que o protótipo da Casa Solar vai ser "muito importante", tendo em conta a aposta do concelho nas energias renováveis, em especial na fotovoltaica."Este protótipo, cujo início de construção ainda não está definido, vai servir para demonstrar as técnicas, materiais e tecnologias ligadas ao baixo consumo de energia, para verificar as suas potencialidades e possível aplicação futura", disse.Caso o projecto tenha resultados positivos, frisou, alguns dos "ensinamentos" até poderão ser aplicados no próprio concelho, por exemplo nos dois loteamentos servidos por energia solar fotovoltaica que a autarquia prevê instalar em Moura."Não queremos só instalar em Moura (na freguesia de Amareleja) uma central solar. O projecto é mais vasto e abrange outras vertentes, como a da habitação, e interessa-nos apostar nesta energia amiga do Ambiente, dando espaço à investigação e demonstração", garantiu.A cerimónia de apresentação da Casa Solar, caracterizada por um baixo consumo energético e pela utilização de materiais de baixa produção de energia, desde a sua manufactura à manutenção, está agendada para as 12:00, no dia 26, na sala de sessões da autarquia.Para obter baixos consumos de energia, próximos de 0 Kw por ano, o projecto prevê o recurso, no Verão, a uma torre de arrefecimento utilizando águas domésticas, as quais irão arrefecer o ambiente por evaporação.De acordo com a informação disponibilizada, a habitação vai contar com paredes feitas com um material específico (Trombe) para, no Inverno, funcionarem como uma bateria, ou seja, armazenarem energia durante o dia, transmitindo-a, depois, ao interior.O aquecimento da água para consumo doméstico será feito através de painéis solares, sendo a Casa Solar, de tipologia T2, baseada em elementos da arquitectura tradicional de Moura.A utilização de programas informáticos para a simulação, por exemplo, dos padrões de conforto e consumo de energia é outra das características da Casa Solar."Esta vai ser uma habitação amiga do ambiente, possibilitando uma redução significativa na emissão de dióxido de carbono para a atmosfera e tendo em conta as características climáticas da região", realça ainda a documentação disponibilizada pela Câmara Municipal.Além deste projecto, a autarquia informou ainda que a aposta no aproveitamento da energia solar vai passar pela instalação de painéis solares em vários edifícios públicos do concelho, à semelhança do que já foi feito em várias escolas da zona.Os pedidos de informação prévia para a instalação de 24 novas mini-centrais, de 5 Kw cada, já foram entregues na Direcção-Geral de Geologia e Energia.Também a AMPER, empresa que é responsável pelo projecto da central solar, apresentou dois pedidos de instalação de mini-centrais, um deles para a Escola Básica 2+3 de Moura (25Kw) e o outro para a Associação de Moradores da Estrela (5Kw).Ainda segundo a Câmara Municipal, também os bombeiros voluntários pretendem instalar 25Kw e uma residencial de Moura solicitou a aprovação de 5Kw.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo