Sociedade | 28-05-2009 18:03

Abrantes lança matriz energética para poupar recursos naturais

A racionalização na tomada de decisões sobre "questões energéticas” é o objectivo da Matriz Energética de Abrantes, documento que a autarquia lança hoje e no qual é projectado o desempenho energético do município até 2030.Céu Albuquerque, vereadora com o pelouro do Ambiente e Desenvolvimento Económico de Abrantes, disse que “a Matriz Energética de Abrantes é um documento que mostra a evolução da procura energética no concelho e que reúne um conjunto de informações que caracterizam os consumos de energia por freguesias, sectoriais, domésticos, empresariais e iluminação pública, entre outros, bem como as suas tendências evolutivas”.“Este é um documento que vai permitir fundamentar os processos de tomada de decisão, ao nível local e regional, com o objectivo de atingir níveis cada vez mais elevados de sustentabilidade e de qualidade de vida das populações, tendo em conta a evolução da procura energética até 2030”, afirmou.Segundo Céu Albuquerque, “a partir da Matriz Energética de Abrantes poder-se-á olhar para os valores a que se chegará em 2030 se se continuar com os mesmos padrões de consumo", bem como "criar uma Carta Verde que leve à melhoria do desempenho energético-ambiental e que conduza, em simultâneo, a um desenvolvimento local mais sustentável”.A vereadora acrescentou que “as vertentes da energia, do ambiente e da mobilidade serão apoiadas por um trabalho na área da sensibilização, procurando dar resposta às necessidades e ambições de Abrantes e da região".“O que se pretende com este documento é promover e desenvolver projectos e métodos que contribuam para a utilização racional da energia, a valorização e o melhor aproveitamento dos recursos energéticos endógenos e das energias renováveis, a gestão ambiental e a preservação do ambiente, tendo em vista a promoção de um desenvolvimento local sustentável”, acrescentou.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo