Sociedade | 25-06-2010 07:59

Secundária de Azambuja suspende alunos por furto de telemóvel

A direcção da Escola Secundária de Azambuja decidiu suspender dois alunos acusados de roubarem um telemóvel a um colega. A pena de suspensão foi de sete dias mas podia ter sido mais não fosse o castigo ter sido decidido a uma semana de terminarem as aulas. Este caso não é único na escola. A GNR já recebeu várias queixas sobre situações do género e a escola tem vindo a registar vários casos, o que está a preocupar o director do estabelecimento de ensino.Os alunos suspensos têm 13 e 14 anos de idade e segundo foi apurado no processo interno desenvolvido pela direcção do estabelecimento de ensino provou-se que estiveram envolvidos no furto do telemóvel a um colega do sétimo ano, durante o decurso de uma aula de educação física. De acordo com o director da escola, José Manuel Franco, a situação ocorreu na altura em que um aluno se magoou, tendo havido a necessidade de se chamar os bombeiros. Essa alteração ao normal funcionamento da aula potenciou o acto, praticado no momento em que os alunos levantavam os seus bens do saco de valores, onde no início de cada aula colocam os seus objectos.O aparelho foi escondido pelos dois jovens num monte de brita que existe nas traseiras do pavilhão da escola e foi mais tarde encontrado pelo encarregado de educação, Luís Sombreireiro, na presença do director. Luís Sombreireiro deslocou-se à sala onde a turma do seu filho estava a ter aulas para pedir explicações sobre o sucedido e foi quando se apercebeu que dois alunos se dirigiram para as traseiras do pavilhão “com ar comprometido”. Luís Sombreireiro seguiu-os e tirou fotos com o seu telemóvel. O director da escola não gostou da interferência do encarregado de educação e ordenou-lhe que abandonasse o recinto escolar. Foi nessa altura que Luís Sombreireiro vê os dois jovens a esconderem o telemóvel do seu filho e dirigiu-se ao director da escola, tendo ambos encontrado o aparelho. O encarregado de educação assume que infringiu algumas regras – nomeadamente tirar fotos dentro da escola – mas acusa o director de recusar a chamar as autoridades, como forma de tentar “abafar o furto”. Mas José Manuel Franco esclarece que “as forças de segurança não têm jurisdição dentro de uma escola nem podem revistar os alunos. Só com mandato judicial”. Entretanto Luís Sombreireiro apresentou queixa junto da GNR local e escreveu uma reclamação no livro amarelo do estabelecimento de ensino, onde critica a postura do director da escola.“O problema foi encarado pela escola com a devida atenção e aplicada a suspensão que se entendeu relevante face ao acto praticado. A suspensão só se aplica em situações extremas. Duas a três vezes num ano. E neste caso decidimos aplicá-la”, explica o director. José Manuel Franca revela ainda que os furtos de telemóveis são uma situação que o preocupa, uma vez que este já não é o primeiro caso que se verifica na Secundária de Azambuja

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo