Sociedade | 30-09-2010 00:02

Directora da Segurança Social de Santarém acusada de atitudes pouco democráticas

O Centro Distrital de Segurança Social (CDSS) de Santarém não dá explicações a ninguém sobre o encerramento de balcões que tem vindo a efectuar um pouco por toda a região. Nem sequer os autarcas e deputados conseguem esclarecimentos sobre as motivações desse organismo liderado por Anabela Rato. Por falta de informações, o deputado do PSD eleito pelo distrito de Santarém, Vasco Cunha, lamenta que o CDSS não seja capaz de informar os autarcas sobre o que anda a fazer. Situação que levou o político a apresentar um requerimento urgente na Assembleia da República. Nesse requerimento, Vasco Cunha pergunta mesmo se faz sentido “do ponto de vista político que a senhora responsável pelo centro distrital se mantenha queda e muda sobre as matérias que politicamente lhe incumbem”. Em declarações a O MIRANTE, o deputado e presidente da distrital do PSD, diz que a atitude de Anabela Rato “é muito pouco transparente” e no mínimo “muito pouco democrática”. Para o parlamentar, atendendo à situação em que o país se encontra, com empresas em dificuldade e desemprego, “estes encerramentos não são a favor dos cidadãos nem das empresas”. A Junta de Freguesia de Pernes (Santarém) até já emitiu um comunicado no qual diz que a “Segurança Social foge ao diálogo”, realçando que já pediu por duas vezes uma reunião com a directora e não obteve qualquer resposta. A presidente da Câmara de Salvaterra de Magos, Ana Cristina Ribeiro (BE), já se queixou do mesmo em relação ao fecho do balcão de Marinhais. NOTÍCIA DESENVOLVIDA NA EDIÇÃO SEMANAL EM PAPEL DESTA QUINTA-FEIRA

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo