Sociedade | 29-07-2011 08:00

Proprietária da TNC quer apresentar plano de recuperação da empresa

A proprietária da TNC anunciou quinta-feira pretender apresentar um plano de recuperação da empresa, mas primeiro é necessário que seja anulada a decisão da última assembleia de credores, na qual foi votada a liquidação da transportadora.A intenção foi assumida durante uma reunião na Câmara de Vila Franca de Xira, com a presença da presidente da autarquia, Maria da Luz Rosinha, o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários de Portugal (STRUP), representantes dos trabalhadores e a proprietária da empresa.“Acredito na viabilidade e na recuperação da TNC [Transportadora Nacional de Camionagem] e isso implicará a manutenção dos 126 postos de trabalho. A proposta será apresentada por mim mas envolverá o sindicato e os trabalhadores, será uma proposta conjunta”, revelou Luzia Leal à Lusa.A proprietária da TNC, com sede em Alverca e em processo de insolvência, está confiante em relação ao futuro da empresa, mas deixou um alerta.“Agora depende de quanto tempo demorar toda esta situação [a anulação da decisão de liquidação], pois a empresa está parada há duas semanas com avultados prejuízos”, lamentou Luzia Leal.Para o coordenador nacional do STRUP, a proposta de viabilidade da empresa é a melhor solução e será transmitida aos credores pelo Ministério da Economia e do Emprego.“O ministro da Economia considera a empresa viável e sabemos que vai haver contactos entre o ministério e os credores no sentido de lhes apresentar a argumentação necessária, para que estes anulem a decisão de liquidar a empresa e aprovem o plano de recuperação da mesma”, explicou Fernando Fidalgo.O dirigente sindical espera que as questões técnicas fiquem resolvidas até 15 de Agosto, data em que, no seu entender, “era a melhor para que a empresa começasse a funcionar em pleno” permitindo, dessa forma, “consolidar a TNC no mercado”.Os trabalhadores da TNC já recusaram no início desta semana a proposta de aquisição feita pela empresa de logística We Go, considerando-a mesmo “uma provocação”, já que garantia os 126 postos de trabalho, mas reduzia em 50 por cento o salário dos funcionários.O processo de insolvência da Transportadora Nacional de Camionagem foi publicado a 05 de Janeiro de 2010 e em assembleia de credores, realizada a 11 de Julho, ficou decidida a sua liquidação.Os trabalhadores continuam em vigília na sede da empresa há exactamente duas semanas e prometem continuar com a acção até ao dia em que virem a situação da empresa resolvida.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo