Sociedade | 08-12-2011 18:15

Circulação aumenta em estradas secundárias do Médio Tejo no primeiro dia de cobrança na A23

O início da cobrança de portagens nas autoestradas sem custos para o utilizador (ex-SCUT), levou esta quinta-feira, dia 8, a um aumento do tráfego nas estradas secundárias e no interior das cidades do Médio Tejo, nomeadamente Torres Novas, Tomar, Abrantes e Entroncamento.O pagamento de portagens na A23 arrancou hoje sem que fossem perceptíveis tendências de maior ou menor utilização da autoestrada por parte dos automobilistas, devido ao feriado, mas o mesmo não aconteceu nas localidades abrangidas pelos denominados circuitos alternativos, antigas estradas municipais e nacionais da região.Pela hora do almoço, no restaurante onde trabalha Paula Vieira, o movimento não pára. Situado em Videla, junto ao nó entre a A1 e a A23, a empregada de mesa afirmou ter a "certeza" de que "os camionistas e muitas outras pessoas" vão começar a fazer o percurso "por fora", ou seja, pelas estradas secundárias."Pode crer", assegurou, uma certeza assente na "experiência de vida" e no que diz "ouvir dizer" de camionistas e automobilistas que param em sua casa."Quem é que aguenta pagar mais com os ordenados sempre a descer?", atira-nos, assegurando que também ela vai começar a fazer o circuito "por fora", porque o dinheiro que tem "não chega para isso".O preço a pagar pela utilização da A23 entre Videla e Torres Novas, um percurso de sete quilómetros, é de 1,20 euros. "Uma roubalheira", no entender de Paula Vieira. Paulo Silva, camionista de longo curso, estacionou junto à A23, em Vila Nova da Barquinha, para uma pausa da longa viagem. "Acabei de chegar de Espanha onde percorri mais de mil quilómetros sem pagar um cêntimo. Foi preciso entrar em Portugal para levar com todo o tipo de portagens", afirmou, tendo assegurado estar a percorrer a A23 por ser "obrigado" a isso."Enquanto a empresa não me der uma nova rota terá de ser assim, mas se houver alternativas vamos ter de sair (da autoestrada). Temos de cortar nas despesas ao máximo", observou. Fazer toda a A23, que liga Torres Novas à Guarda, fica em 19,30 euros. Antes, ir de Lisboa à Guarda pelo mesmo caminho ficava em 5,65 euros a um veículo de classe 1, relativos à portagem da A1 entre Lisboa e Torres Novas. Agora vai passar a custar 24,95 euros.No Entroncamento, depois do almoço, respirava-se um dia de feriado. Muita gente às compras ou a passear, nos hipermercados, algum trânsito circulava pela cidade dos comboios."Muito mais trânsito do que o habitual, mais a mais sendo um feriado", assegurou à Lusa António Ferreira, habitante na localidade e porta voz da Comissão de Utentes da A23 no Médio Tejo, movimento que contesta a introdução de portagens nas ex-SCUT."Hoje, pelo que vi, uma parte do trânsito já procura alternativas à A23 tendo-se registado um aumento de tráfego dentro das localidades. E há que ter em conta que a percepção não é a melhor por ser dia feriado e pelo facto das pessoas não se deslocarem para o trabalho, declarou. "Segunda feira é que vai ver o caos que é".

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Médio Tejo