Sociedade | 21-10-2013 11:23

Homem que matou a mulher com um atacador em Alverca apanha 17 anos de prisão

Homem que matou a mulher com um atacador em Alverca apanha 17 anos de prisão
O homem que estrangulou a mulher até à morte com um atacador em Alverca foi esta segunda-feira condenado a 17 anos e quatro meses de prisão. O colectivo de juízes do Tribunal de Vila Franca de Xira deu como provada a acusação de um crime de homicídio qualificado, confirmando que João Pires, de 42 anos, matou Mislene Pires, de 38, uma cidadã brasileira. Deu também como provado o crime de detenção de arma proibida, devido às quatro munições de três calibres encontradas na habitação do casal. Os factos remontam a 7 de Dezembro de 2012. Na sequência de uma discussão entre o casal, João Pires recorreu a um atacador de ténis para estrangular Mislene. O tribunal deu ainda como provado que João Pires utilizou atacadores para prender a mulher, já sem vida, pelos pulsos e pelos tornozelos, arrastando-a desde o corredor até à dispensa, onde a deixou.Apenas no dia seguinte ligou para a PSP de Alverca a comunicar que estava um corpo na sua habitação. A juíza presidente do colectivo salientou o facto de João Pires ter agido de forma livre, voluntária e consciente, com especial censurabilidade e perversidade. Salientou ainda que o arguido não demonstrou pleno arrependimento ao afirmar, durante o julgamento, que a sua mulher não estaria morta quando a deixou amarrada em casa.Nos momentos seguintes à leitura do acórdão, familiares e amigos puderam despedir-se de João Pires, em particular a sua mãe e o seu filho de outro casamento, que não pôde assistir à leitura do acórdão por ser menor de idade.À saída do tribunal, a advogada do arguido, Renata Costa, afirmou que irá ponderar com o seu cliente um possível recurso da pena aplicada, acrescentando que, em seu entender, não se trata de um crime qualificado.* Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Médio Tejo