Sociedade | 14-11-2013 13:35

CCDR diz que Câmara de Azambuja não deve pagar os ordenados a Joaquim Ramos

CCDR diz que Câmara de Azambuja não deve pagar os ordenados a Joaquim Ramos
A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) de Lisboa e Vale do Tejo considera que a Câmara de Azambuja não deve pagar os ordenados ao ex-presidente do município durante o tempo em que este esteve internado no hospital. Num parecer pedido pela autarquia a CCDR diz que Joaquim Ramos, que sofreu dois ataques cardíacos e esteve em estado grave, devia ter pedido a suspensão imediata do mandato logo que foi internado. Este parecer vem de encontro a um outro que já tinha sido elaborado pelo jurista do município que também não dá razão ao socialista Joaquim Ramos, que exige o pagamento dos quatro meses em que esteve de baixa médica. Curiosamente apesar de não lhe pagarem os ordenados nesse período a autarquia continuou a transferir-lhe as ajudas de custo e subsídios de alimentação. A oposição na câmara discorda do parecer e o actual presidente da câmara, Luís de Sousa (PS), frisou na última reunião pública do executivo que "fez bem" em não pagar os ordenados em atraso a Joaquim Ramos, "senão hoje teria de meter o dinheiro" do seu bolso. * Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1381
    13-12-2018
    Capa Vale Tejo