Sociedade | 15-11-2015 14:47

Crise obriga APAC de Póvoa de Santa Iria a despedir funcionárias

A Associação Popular de Apoio à Criança (APAC), instituição com várias dezenas de anos na Póvoa de Santa Iria, vai ser obrigada a dispensar funcionários, cerca de seis, devido a dificuldades financeiras. A situação está a causar forte apreensão entre os funcionários, que já falam em despedimento colectivo, situação desmentida por José Manuel Casaleiro, presidente da direcção da associação."É totalmente falso que vamos fazer qualquer despedimento colectivo. O que vamos fazer é ter de fazer alguns ajustes de funcionários, mas sempre com o acordo dos mesmos, pois temos tido reuniões com todos eles e estão todos a par da situação. Serão cinco ou seis funcionárias, entre as que vieram substituir algumas que estiveram de licença de maternidade e outras que estão a desempenhar funções no ATL", esclareceu o líder da direcção.Os despedimentos vão acontecer por causa da redução das receitas da instituição, sentidas depois das novas políticas instituídas pela segurança social para o sector. "Até 2013 estávamos numa situação bastante confortável. Desde aí sentimos, e de que maneira, a crise. De uma média de 700 crianças, que vinham de famílias de baixos rendimentos, mas também de classe média e média alta, tivemos uma descida de cerca de 70, o que provoca um decréscimo nas receitas, além de que os que pagavam o montante máximo acabaram por baixar de escalão pelo corte de rendimentos que tiveram e isso faz descer o valor da prestação", explica.NOTÍCIA DESENVOLVIDA NA EDIÇÃO SEMANAL EM PAPEL

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo