Sociedade | 08-04-2016 13:16

Colectividade da Romeira continua à espera de dinheiro prometido por Moita Flores

Os dirigentes da Sociedade de Recreio Educativa da Romeira (SRER) continuam à espera que a Câmara Municipal de Santarém lhes dê o dinheiro prometido para o pagamento da sede da colectividade, construída em 2008. O presidente da colectividade, Luís Batista, recorda que o presidente do município na altura, Francisco Moita Flores (PSD), prometeu-lhe dar a comparticipação que cabia pagar à colectividade. As obras de conservação e valorização envolveram um investimento global de 128 mil euros, contando com comparticipação comunitária de 61.440 euros e comparticipação nacional do PRODER de 15.360 euros."Na altura de avançarmos com a candidatura a fundos comunitários para esta obra falei com Moita Flores e ele garantiu-me que arranjava, pelo menos, a mesma verba que tinha dado para arranjar a cobertura da colectividade 1º de Maio que tinha caído, cerca de 60 mil euros. Avançamos com a candidatura e ficamos descansados porque tínhamos alguma verba nossa e tínhamos a garantia do presidente Moita Flores que nos daria o dinheiro. Já passaram oito anos e até hoje ainda não recebemos o dinheiro", afirma Luís Batista.O presidente da direcção, juntamente com dois sócios, tornaram-se avalistas de dois empréstimos bancários contraído pela colectividade para pagar a dívida, no valor de 75 mil euros, mas não há dinheiro para o liquidar. * Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Médio Tejo