Sociedade | 08-11-2016 00:02

Fazer obra sem acumular dívidas é o caminho a seguir

Fazer obra sem acumular dívidas é o caminho a seguir
RIO MAIOR

No dia dos 180 anos do concelho, presidente da Câmara de Rio Maior realça gestão criteriosa.

Só graças a uma gestão financeira eficaz e à afectação criteriosa das verbas disponíveis aos investimentos necessários tem sido possível à Câmara de Rio Maior continuar a fazer obra e melhorar a qualidade de vida da população sem acumular encargos para os mandatos seguintes. Essa foi umas das pedras de toque do discurso da presidente do município, Isaura Morais, durante a sessão solene comemorativa dos 180 anos da criação do concelho de Rio Maior, que se realizou no domingo nos paços do concelho.

"Se nos guiássemos por calendários políticos, pelo uso constante da demagogia, seria certamente mais fácil governar um concelho. Mas diz-nos a experiência que o nosso país viveu, e ainda vive, que esse caminho tem no seu fim um mau resultado. Ao contentamento de hoje segue-se a amargura do futuro e esse não é o caminho que queremos seguir", afirmou a autarca que, desde que chegou ao poder, em Outubro de 2009, reduziu a dívida do município de 20 milhões de euros para 8,7 milhões de euros.

Nesse dia em que o município homenageou entidades e pessoas, Isaura Morais deixou palavras elogiosas e de reconhecimento a todos, desde o presidente do Comité Olímpico de Portugal José Manuel Constantino e a Federação Portuguesa de Futebol - parceiros imprescindíveis na afirmação de Rio Maior como cidade do desporto - até aos atletas olímpicos do concelho e outras personalidades distinguidas nessa manhã.

Com a medalha de mérito municipal, grau ouro, foram distinguidos José Manuel Constantino e a Federação Portuguesa de Futebol, na pessoa do seu vice-presidente Humberto Coelho.

* Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1372
    10-10-2018
    Capa Médio Tejo