uma parceria com o Jornal Expresso
24/06/2017
30 anos do jornal o Mirante
Assine O Mirante e receba o jornal em casa
Sociedade | 16-03-2017 11:50
Duas famílias de refugiados acolhidas em Torres Novas foram-se embora
Informação foi dada a O MIRANTE pelo presidente da câmara.

Duas das três famílias de refugiados acolhidas em Maio do ano passado em Torres Novas, partiram para local desconhecido sem qualquer aviso. A informação foi dada a O MIRANTE pelo presidente da câmara, Pedro Ferreira (PS). O autarca diz compreender a vontade das pessoas em procurar o que acham melhor para as suas vidas embora se sinta frustrado com o que aconteceu.

"Percebo que as pessoas tenham ideias próprias sobre aquilo que pretendem mas é sempre desanimador para quem as recebe da melhor forma como nós o fizemos. Os serviços de acção social do município foram incansáveis. A comunidade procurou que as famílias se sentissem o melhor possível. Não vamos fechar as portas a novos refugiados porque percebemos o drama destas pessoas mas algumas coisas têm que ser corrigidas a nível dos organismos nacionais que tratam destes casos", explica.

Em Torres Novas foram alojadas duas famílias curdas e uma família iraquiana. Estavam em processo de aprendizagem da língua portuguesa e houve algumas tentativas de encontrar trabalho para alguns dos adultos que não deram resultado. Nesta altura há apenas uma família de refugiados, constituída por dois adultos e duas crianças, a viver numa casa de habitação social da autarquia.

Em Fevereiro tinha desaparecido de Alcanena, duas semanas após o seu acolhimento, uma família Síria composta por um casal e quatro filhos, o que levou o executivo municipal daquele concelho a decidir não receber mais refugiados enquanto não houver alterações no sistema nacional de acolhimento.

O presidente da Câmara de Torres Novas também chama a atenção para algumas falhas no acompanhamento dos refugiados por parte das entidades nacionais que coordenam o processo e lembra que as pessoas acolhidas "passaram por problemas graves, correram risco de vida, perderam muitas vezes filhos e familiares, foram escorraçadas, exploradas e chegam desconfiadas de tudo e de todos.".

* Notícia desenvolvida na próxima edição em papel.

Comentários
Mais Notícias
    A carregar...
    Edição Semanal
    Edição nº 1304
    22-06-2017
    Capa Vale do Tejo
    Edição nº 1304
    21-06-2017
    Capa Médio Tejo