Sociedade | 06-04-2017 17:18

Presidente da Casa do Povo da Chamusca acusada de vários crimes

Leonor Nalha foi interrogada e está obrigada a apresentação semanal no órgão de polícia criminal mais próximo da sua residência.

A presidente da Casa do Povo da Chamusca, Leonor Nalha, foi constituída arguida por suspeitas de participação económica em negócio, peculato, falsificação de documento e burla simples relacionadas com a gestão da instituição de solidariedade social, segundo nota divulgada pela Procuradoria do Ministério Público da Comarca de Santarém esta quinta-feira, 6 de Abril.

A arguida ficou proibida de praticar qualquer acto administrativo e de gestão da casa do povo, bem como de contactar com uma outra arguida no processo (ex-secretária da direcção da casa do povo), assim como com representantes legais e estatutários do referido organismo.

Leonor Nalha está ainda obrigada a apresentação semanal no órgão de polícia criminal mais próximo da sua residência.

O processo encontra-se, ainda, em investigação e está em segredo de justiça. A investigação está a ser dirigida e desenvolvida pela secção do Entroncamento do DIAP de Santarém.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1317
    21-09-2017
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1317
    20-09-2017
    Capa Médio Tejo