Sociedade | 21-04-2017 16:14

Museu “Escaroupim e o Rio” em Salvaterra recebe 1300 visitantes num mês

Espaço inaugurado em Fevereiro.

Cerca de 1300 pessoas visitaram o Museu “Escaroupim e o Rio” durante o primeiro mês de actividade. A informação foi avançada pela Câmara Municipal de Salvaterra de Magos em nota de imprensa. O espaço foi inaugurado a 25 de Fevereiro deste ano na aldeia avieira do Escaroupim e resulta das obras de reabilitação e ampliação da antiga escola primária local. Teve um investimento de cerca de 150 mil euros por parte do município de Salvaterra de Magos.

Durante o mês de Março o museu recebeu a visita de diversos grupos oriundos de toda a região. Segundo a autarquia, o novo museu constrói um percurso expositivo que dá a conhecer a importância do rio Tejo e dos seus afluentes, enquanto elemento de fixação humana e evidencia as actividades socio-económicas que durante séculos foram exploradas e rentabilizadas pelas comunidades locais.

O presidente da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, Hélder Esménio (PS), sublinha que o museu “Escaroupim e o Rio” é a “cereja no topo do bolo” no esforço feito pelo actual executivo para revitalizar as zonas ribeirinhas. “Este museu assume e regista, para a posteridade, as ligações das nossas gentes ao rio e pretende ser um ponto de encontro para todos os que se revêm na história da cultura avieira e também um importante produto turístico”, acrescenta o autarca.

O novo museu dispõe de sanitários públicos para servir todos os visitantes e vem ampliar a oferta turística na aldeia do Escaroupim, juntando-se ao Núcleo Museológico da Casa Avieira, aos passeios de barco no rio Tejo, à observação de aves e ao parque de merendas.

Mais Notícias

    A carregar...
    Caipirinhas para todos os gostos
    Foto do Dia
    As caipirinhas são a aposta há oito anos da van food “Caipi Joca’s”, de Carlos Travessa, um dos presentes na 4.ª edição do Festival Reverence que decorreu nos dias 8 e 9 de Setembro, pela primeira vez, na Ribeira de Santarém. A residir em Salvaterra de Magos, o empreendedor de 38 anos começou o negócio juntamente a sua sócia, Josélia Godinho, de 33 anos, depois de ter tido muito sucesso com o seu bar exclusivo de caipirinhas nas festas de Salvaterra de Magos. O nome surgiu de uma junção de “Caipi” (caipirinhas), “Jo” (Josélia) e “Ca” (Carlos). Entre as várias caipirinhas à disposição, a que está no topo das preferências é a tradicional com cachaça.
    Foto do Dia | 22-09-2017

    Edição Semanal

    Edição nº 1317
    21-09-2017
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1317
    20-09-2017
    Capa Médio Tejo