Sociedade | 08-07-2017 00:08

Os indicadores de sucesso da Escola Profissional de Rio Maior

Os indicadores de sucesso da Escola Profissional de Rio Maior
ENSINO
Luciano Vitorino - Director Pedagógico

Diminuição do abandono escolar e aumento da empregabilidade

A Escola Profissional de Rio Maior, prestes a completar 25 anos de atividade, apresenta alguns números que são próprios, certamente, duma escola de referência: 40% dos alunos são provenientes de fora do concelho de Rio Maior, número que traduz a capacidade de atração da escola, assim como o facto de os jovens e as suas famílias reconhecerem a qualidade do Projeto Educativo da EPRM.


Quanto ao abandono escolar precoce, a Estratégia 2020 fixa como meta reduzi-lo para 10% até 2020. Enquanto a nível nacional esse número ainda está acima dos 13% e a média da UE ronda os 11%, na EPRM, em média, a taxa de abandono, nos últimos 4 anos letivos, ficou sempre significativamente abaixo daquele limiar.


A título de exemplo, no ano letivo transato foi de 6% e, este ano, já na reta final, cifra-se em 4,7%, o que atesta que os nossos alunos estão aqui para lutar com determinação e coragem pelo seu futuro e os nossos colaboradores não desistem com facilidade dos seus alunos mais desmotivados.


Ainda de acordo com a Estratégia 2020, 6 meses após a conclusão de um curso de dupla certificação de nível secundário, a empregabilidade deve ser igual ou superior a 75%. Na EPRM, a taxa de empregabilidade, 6 meses após a conclusão do ciclo de formação, é de 80,5%.
De salientar, também, que 28,8% prosseguem estudos para o Ensino Superior.


Contudo, na EPRM, considerando os alunos que se dirigiram para o mercado de trabalho e os que optaram por prosseguir estudos, a taxa média de sucesso nas saídas profissionais um ano após a conclusão do ciclo de formação é geralmente superior a 90%, sendo que alguns dos nossos cursos têm uma empregabilidade de 100%. Aliás, existem áreas em que não temos capacidade de resposta para as solicitações das empresas.


Estes resultados têm sido conseguidos com o empenho e a dedicação de todos, professores e alunos, recorrendo a novas metodologias de trabalho, à diferenciação pedagógica, à aprendizagem baseada em projetos, à valorização da avaliação formativa, à utilização de estratégias de recuperação diversificadas e diferenciadas. Nunca graças ao facilitismo!
Estes números são tanto mais surpreendentes, quando vivemos num momento em que cerca de 30% dos jovens portugueses não têm emprego… são cerca de 300.000 jovens da chamada “geração nem nem” (não estudam, não trabalham, nem estão em formação).


Na EPRM estamos atentos e sabemos que é fundamental um equilíbrio entre a educação dita formal (escolar), com a não formal. Por isso, procuramos promover diversos tipos de projetos que promovam a criatividade, o empreendedorismo e o gosto pela inovação.


Além disso, com o intuito de estimular competências transversais, como a autonomia, a responsabilidade, a cidadania ativa, o alargamento de horizontes, etc., promovemos mobilidades internacionais. No último ano, 108 alunos e 11 elementos de staff realizaram mobilidades internacionais ao abrigo do Programa Erasmus+. 112 alunos realizaram visitas de estudo internacionais.


Embora importante, o diploma já não constitui, por si só, uma garantia inequívoca de obtenção de emprego… estamos atentos àquelas que serão as competências para o século XXI e para a economia 4.0.
* Texto da responsabilidade da Escola Profissional de Rio Maior

Mais Notícias

    A carregar...
    Caipirinhas para todos os gostos
    Foto do Dia
    As caipirinhas são a aposta há oito anos da van food “Caipi Joca’s”, de Carlos Travessa, um dos presentes na 4.ª edição do Festival Reverence que decorreu nos dias 8 e 9 de Setembro, pela primeira vez, na Ribeira de Santarém. A residir em Salvaterra de Magos, o empreendedor de 38 anos começou o negócio juntamente a sua sócia, Josélia Godinho, de 33 anos, depois de ter tido muito sucesso com o seu bar exclusivo de caipirinhas nas festas de Salvaterra de Magos. O nome surgiu de uma junção de “Caipi” (caipirinhas), “Jo” (Josélia) e “Ca” (Carlos). Entre as várias caipirinhas à disposição, a que está no topo das preferências é a tradicional com cachaça.
    Foto do Dia | 22-09-2017

    Edição Semanal

    Edição nº 1317
    21-09-2017
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1317
    20-09-2017
    Capa Médio Tejo