Sociedade | 15-07-2017 15:29

Comunidade africana de Alverca e Sobralinho não se reuniu para o concerto de Chalo Correia

1 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
2 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
3 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
4 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
5 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
6 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
7 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
8 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
9 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
10 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
11 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
12 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
13 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
14 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
15 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
16 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
17 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
18 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
19 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca
20 / 20
Noites do Pelourinho em Alverca

A Companhia Cegada e o Museu de Alverca voltaram a trazer o artista angolano às Noites do Pelourinho, para uma plateia vasta onde faltou a comunidade africana em peso.

Chalo Correia subiu a palco acompanhado de Galiano Neto a convite do Grupo de Teatro Companhia Cegada e do Núcleo Museológico de Alverca, para o segundo ano consecutivo a participarem nas Noites do Pelourinho. A iniciativa tem o objectivo divulgar diferentes estilos de música e artistas que não passam pelos grandes palcos do país, mas também merecem atenção, e este ano a dupla angolana voltou a aceitar o convite “com todo o gosto, porque é um prazer actuar aqui”, contou Chalo Correia ao fim das duas horas de concerto.


“A recepção que nos deram foi muito boa e não foi só chegar aqui e tocar: também conseguimos despertar as pessoas para esta culturalidade que é nossa, da lusofonia, em que as temos de estar integrados”, explicou Chalo, defendendo que essa integração ainda não existe em pleno, o que foi visível pela falta de membros da comunidade africana durante o concerto. Entre as mais de 200 pessoas que estiveram no público contaram-se principalmente moradores das redondezas do Museu de Alverca e do Pelourinho ou habitués das actividades organizadas pelo Museu e pela Companhia Cegada.

*Reportagem completa na edição semanal de O MIRANTE

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1325
    15-11-2017
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1325
    15-11-2017
    Capa Vale Tejo