Sociedade | 11-09-2017 08:49

Centro de Acolhimento Social do Chouto é um apoio precioso para toda a comunidade

Centro de Acolhimento Social do Chouto é um apoio precioso para toda a comunidade

Instituição criada em 2000 dá respostas à comunidade em diversas áreas.

Um grupo de habitantes do Chouto, concelho da Chamusca, percebeu que na freguesia não existiam as respostas necessárias para acompanhar, sobretudo, os idosos e decidiram constituir, em 2000, o Centro de Acolhimento Social do Chouto. O grupo começou a dar vida à Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) em Agosto de 2001, prestando o serviço de apoio domiciliário e fornecendo refeições escolares a partir de instalações pertencentes à Câmara da Chamusca devidamente adaptadas para o efeito.


“Começámos a construção do nosso centro de dia nesse ano e inaugurámos em 2004. Entretanto, como havia muitos idosos que não faziam parte da instituição, mas que gostavam de ser mais activos e conviver, demos início, em 2006, às actividades no centro de convívio”, conta a O MIRANTE o presidente do Centro de Acolhimento Social do Chouto, João Gabriel.


A instituição foi uma das primeiras no concelho a ter a valência de lar. “Começámos, em 2012, com uma capacidade de cinco camas e, em 2014, passámos a contar com 13 camas”, explica João Gabriel. E adianta: “Esta instituição tem vindo a aumentar passo a passo e pretende-se que não fique por aqui. Estamos com um projecto de ampliação em marcha no valor de 50 mil euros que consiste em duas salas grandes para serviços de apoio, mas preparadas, se necessário, para servir de quartos. Estamos também à espera de receber uma viatura, no valor de 20 mil euros, que servirá para apoio domiciliário”.

Serviços gratuitos
“O nosso centro é para toda a comunidade”, afirma o presidente do Centro de Acolhimento Social do Chouto, referindo que a instituição tem actualmente ao dispor da população, de forma gratuita no edifício, vários serviços, nomeadamente de enfermagem, cabeleireiro, apoio no preenchimento de IRS e na formalização de processos de Rendimento de Inserção Social (RSI), Complemento de Dependência e cantinas sociais, cedência de ajudas técnicas, como cadeiras de rodas, andarilhos e canadianas, fotocópias, encadernações, plastificações, envio de faxes, pedidos de receitas, aquisição de medicamentos, preparação de medicação no domicílio e consultas, aquisição de pequenas compras e, mais recentemente, recolha de análises.


O Centro de Acolhimento Social do Chouto conta com 16 funcionários a tempo inteiro e 63 utentes distribuídos pelas valências de apoio domiciliário, centro de dia, lar de idosos e centro de convívio. A instituição conta com um orçamento anual de mais de 400 mil euros o que permite, segundo João Gabriel, ter, neste momento, uma “uma saúde financeira saudável e estável”.

Pioneiros na teleassistência no concelho
A teleassistência é uma das novidades do Centro de Acolhimento Social do Chouto, sendo a primeira instituição do concelho com esse tipo de serviço. O objectivo é que, quem viva nas suas casas sozinho, caso necessite, tenha sempre alguém do outro lado que o possa ajudar. “Neste momento, são sete residentes na freguesia que usufruem deste sistema”, revela o presidente da instituição.


O serviço de teleassistência é um serviço social via telefone de apoio, disponível 24 horas por dia e 365 dias por ano, que funciona através de um equipamento fixo ou móvel. O utente possui uma pulseira ou colar e com um simples apertar de um botão de alarme, pode contactar facilmente em caso de queda ou qualquer ocorrência relativamente à saúde, questões de insegurança ou apenas para ouvir uma palavra amiga. Ao pressionar o botão é atendido por um operador de call center de emergência, que dispõe da informação sobre o utente e local de residência e pode accionar em segundos serviços médicos, bombeiros e polícia, familiares e vizinhos. Pode ainda servir como alerta para a toma de medicação e avisos de consultas.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1325
    15-11-2017
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1325
    15-11-2017
    Capa Vale Tejo