Sociedade | 21-12-2017 14:04

Moradores de Alverca querem mão pesada para pecuária poluidora

Moradores de Alverca querem mão pesada para pecuária poluidora
ALVERCA

Em causa estão constantes focos de poluição envolvendo águas castanhas nauseabundas e cheiro intenso. Autoridades levantaram um auto a uma pecuária.

Terá sido uma pecuária, situada na zona de fronteira entre o concelho de Vila Franca de Xira e o de Arruda dos Vinhos, a estar na origem dos focos de poluição que, no final do último Verão, se sentiram na ribeira da Verdelha, em Alverca.


Além das águas nauseabundas e castanhas a situação gerou também intensos maus cheiros que desagradaram a alguns moradores da zona, que inclusive fizeram queixa no Serviço de Protecção da Natureza e Ambiente (SEPNA) da Guarda Nacional Republicana. As autoridades já se deslocaram à pecuária em questão e foi levantado um auto. A Câmara de Vila Franca de Xira também já disse estar interessada no processo para agir legalmente contra os poluidores e vai requisitar a documentação às autoridades.


“A informação que temos é que o SEPNA já levantou um auto a um foco poluidor a montante da ribeira. A nossa fiscalização tem andado na linha de água e atenta ao que tem acontecido”, garantiu António Oliveira, vice-presidente do município vilafranquense na última reunião pública de câmara.


Para alguns moradores da zona, escutados por O MIRANTE, a notícia de que se encontrou um suspeito pela poluição na zona não poderia ter vindo em melhor hora. “O que esperamos agora é que as multas sejam pesadas e que os prevaricadores aprendam a não estragar não apenas o ambiente como a saúde e bem-estar das pessoas”, explica Mauro Sousa, residente junto à Estrada Nacional 10.


Quem vive no local diz que passou “um Verão medonho” de maus-cheiros e águas paradas sujas que chamavam insectos e outras pragas. “É preciso acabar com esta gente que pensa que está acima de tudo e espero que a justiça actue”, conta Ana Fonseca, outra moradora.


O assunto foi falado pela primeira vez nas redes sociais no final do Verão, quando vários moradores partilharam fotos e vídeos da imundície que se verificava na ribeira. Foi também motivo de discussão em reunião de câmara, onde se ficou a saber que a fiscalização municipal já havia percorrido o leito da ribeira em busca de fontes poluidoras mas, à data, ainda sem resultados.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo