Sociedade | 12-04-2018 08:17

Nova vida para os resíduos junta empresas e entidades

NERSANT e Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo promoveram sessão sobre o tema.

A NERSANT - Associação Empresarial da Região de Santarém e a CIMLT - Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo fomentaram a interacção e comunhão de conhecimentos entre os participantes no workshop “Resíduos são Receitas Extraordinárias”, que decorreu no dia 28 de Março, na Startup Santarém, com foco na economia circular e na circularidade agroindustrial.
Marco Alves, da Rácios Múltiplos, apresentou aos participantes alguns exemplos de grandes marcas de renome mundial que estão a apostar em retirar tudo o que não é natural dos seus produtos no mercado. Foram apresentados exemplos de empresas que estão a apostar na reformulação de receitas onde nitritos, nitratos e conservantes são substituídos por ingredientes biológicos e especiarias, que proporcionam a mesma textura, cor e sabor dos produtos já comercializados. “Estamos ainda no início, o mercado ainda não está saturado e o biológico pode ser dourado”, explica.
Foram ainda expostas algumas ferramentas que visam apoiar as empresas na jornada da economia circular como a Magnomics, que consegue identificar bactérias e genes resistentes a antibióticos na carne em apenas 3 horas e com isso proporcionar maior segurança e qualidade dos produtos. Outra ferramenta foi o Circular Design Guide, um guia para ajudar os “inovadores” a criar soluções mais eficazes e criativas para a economia circular e também uma base de dados que permite ser uma inspiração para deixar de utilizar químicos, uma vez que permite encontrar estratégias biológicas, ideias e recursos relativos aos desafios de inovação, a Ask Nature.
Foi ainda proposto neste workshop, um exercício prático aos participantes, com o intuito de fomentar a dinâmica e sinergias entre as entidades presentes e as empresas sob o tema da circularidade e do aproveitamento de resíduos. O desafio implicava ter uma indústria como referência e responder a algumas perguntas como: Que resíduos são produzidos? Em que produtos comercializáveis podem ser transformados? Que aproveitamento podem ter noutras indústrias? Podem ser reciclados e retornar à biosfera como nutrientes?
O CEO da AEPR - Associação Eco Parque do Relvão, Domingos Saraiva, disse que gosta de falar em “menos custos e não em receitas extraordinárias”, enfatizando a redução de custos em detrimento do aumento da rentabilidade. Por sua vez, o presidente do Agrocluster Ribatejo, Carlos Lopes de Sousa, defende “o reaproveitamento de combustíveis derivados de resíduos”. A resposta às questões apresentadas possibilitou o debate, o conhecimento da legislação vigente e outras reutilizações para os resíduos.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo