Sociedade | 24-04-2018 15:01

Associação dos Caminhos de Fátima denuncia apagamento de sinalização

Associação informa que a Rota da Carmelitas, entre Coimbra e Fátima, “começou a apagar” os caminhos de Fátima, “ignorando, ou não, que estão a matar um caminho de peregrinos”.

A Associação de Amigos dos Caminhos de Fátima, que fez mais de oito mil marcações voluntárias de caminhos para a cidade-santuário pelos campos e longe das estradas nacionais, denunciou que têm sido apagadas sinalizações.

Numa informação colocada na sua página na rede social Facebook, a associação informa que a Rota da Carmelitas, entre Coimbra e Fátima, “começou a apagar” os caminhos de Fátima, “ignorando, ou não, que estão a matar um caminho de peregrinos”.

Ao mesmo tempo, “e com os mesmos fundos” da União Europeia (UE) “lançados pelo Turismo de Portugal”, a Associação Caminhos de Fátima, que tem como sócios-fundadores 14 municípios que partilham a principal rota de peregrinação a Fátima (Vila Nova de Gaia-Ourém), “decidiu lançar a confusão ao promover um mapa dos caminhos mal assinalados por esta entidade”.

“Temos dezenas de peregrinos a ligarem a perguntar onde estão estes caminhos do mapa da Associação de Municípios”, refere a Associação de Amigos dos Caminhos de Fátima, que mostra fotografias nas quais se vê, em marcos, a sobreposição do logótipo oficial dos Caminhos de Fátima à inscrição feita por esta.

A Associação de Amigos dos Caminhos de Fátima lembra ainda que durante os últimos 11 anos trabalhou para “fazer crescer” estes percursos em direcção a Fátima que “estavam ao abandono”, enumerando os caminhos reabilitados onde foram pintadas “mais de 8.000 setas”, em Portugal e Espanha.

Ainda no Facebook, a associação informa que “deixou de colaborar com a secretaria de Estado do Turismo”, pois sabia que “estas obras feitas à pressa para gastar os fundos da UE só iam destruir os caminhos de Fátima e criar confusão aos peregrinos”.

“Recomendamos que os políticos vão gastar dinheiro onde realmente é necessário e deixem o caminho aos peregrinos”, adianta.

O presidente da Associação Caminhos de Fátima, Diogo Mateus, esclareceu não se está a apagar a sinalização, mas “a dar uniformidade de sinalização e informação nos percursos Caminhos de Fátima”, adiantando desconhecer a eventual existência de mapas oficiais já divulgados sem a sinalética prévia no terreno.

Diogo Mateus adiantou que quando se constituiu esta associação uma das primeiras entidades a ser convidada foi a Associação de Amigos dos Caminhos de Fátima, “para, em nenhuma circunstância”, ser desconsiderado “o trabalho e a experiência desta entidade nos últimos anos”.

“Também, em nenhuma circunstância, os municípios envolvidos neste processo deixaram de ter competências que, aliás são das obrigações mais antigas no municipalismo português, na marcação de estradas e caminhos, competência que deve ser respeitada”, salientou Diogo Mateus, também presidente da Câmara de Pombal, no distrito de Leiria.

O autarca acrescentou que a Rota das Carmelitas tem como “interlocutor a Rede de Muralhas e Castelos Medievais do Mondego, em absoluta sintonia com a Associação dos Caminhos de Fátima, Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Associação de Peregrinos Via Lusitana, juntas de freguesia por onde passa a rota e, também, a colaboração do Turismo de Portugal”.

“É uma iniciativa que tem uma coerência funcional, de comunicação e identidade que queremos estender a todo o país, mas que tinha desde há praticamente uma dezena de anos um projecto desenvolvido pelo interior da região Centro, a sul de Coimbra - a Rota das Carmelitas -, que integrou esta primeira fase dos nossos trabalhos, com a actualização da imagem criada para criar a nova sinalética que vai ser utilizada nos municípios que se associaram ou querem associar à Associação Caminhos de Fátima”, referiu.

Segundo Diogo Mateus, “as entidades envolvidas neste projecto reconhecem que a imagem oficial de promoção e divulgação nacional e internacional dos caminhos de Fátima é esta que está agora a ser utilizada”.

Notando que o financiamento comunitário não paga 100 por cento o investimento e garantindo abertura “para a colaboração de todas as pessoas e entidades”, o presidente da associação sublinhou que “os caminhos não têm dono” e frisou não haver desprezo pelo trabalho de ninguém.

Em 3 de Maio de 2017, a poucos dias da visita do Papa Francisco a Fátima, o Turismo de Portugal, o Centro Nacional de Cultura e a Associação dos Caminhos de Fátima assinaram um protocolo para desenvolver e dinamizar o projecto Caminhos de Fátima.

Na ocasião, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, disse que os Caminhos de Fátima são um projecto “para todos e para ser feito com todos”.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1377
    15-11-2018
    Capa Médio Tejo