Sociedade | 18-05-2018 13:20

Empresário que denunciou alegada corrupção no Sporting “não é digno de crédito”

Empresário que denunciou alegada corrupção no Sporting “não é digno de crédito”
David Ribeiro, presidente do Núcleo Sportinguista do Entroncamento - Foto O MIRANTE

Presidente do Núcleo Sportinguista do Entroncamento diz-se envergonhado por ver o nome da cidade associado a esse caso e afirma que o denunciante, Paulo Silva, “não deve ser levado muito a sério”.

O empresário do Entroncamento Paulo Silva, que denunciou às autoridades um alegado sistema de corrupção no Sporting, nas modalidades de andebol e futebol, foi sócio do Núcleo Sportinguista do Entroncamento (NSE) há cerca de dez anos mas durante pouco tempo. “Pagou as quotas três meses, depois deixou de as pagar e nós riscamo-lo de sócio”, diz David Ribeiro, presidente do Núcleo, que confessa estar desgostoso com as notícias que têm saído sobre o clube leonino mas não dá grande crédito às denúncias de Paulo Silva, que alguma imprensa descreveu como “sportinguista ferrenho”.

“Fico em choque é por ver o clube do meu coração estar a ser envolvido em suspeições vindas de quem vêm. Esse senhor não é uma pessoa digna de crédito. Pelas informações que me foram sendo transmitidas por pessoas cá do Entroncamento, o Paulo sempre teve uma vida desviante”, disse David Ribeiro a O MIRANTE, ressalvando que a família do agora arguido é composta por gente que nada tem a ver com comportamentos dessa natureza. O pai de Paulo Silva, já falecido, foi guarda-redes do Ferroviários do Entroncamento durante muitos anos e “era uma pessoa muito séria”, destaca o dirigente.

David Ribeiro, que já foi vereador na Câmara do Entroncamento, diz-se “envergonhado” por ver o nome da cidade associado a este tipo de notícias que não favorecem a imagem de ninguém e reforça que Paulo Silva é daquele tipo de pessoas que “não deve ser levado muito a sério”. Paulo Silva (também conhecido na cidade como Paulo Farto) teve em tempos um negócio de venda de automóveis usados e ultimamente vinha trabalhando como empresário de jogadores de futebol.

O presidente do NSE afirma que o último contacto que teve com Paulo Silva foi alguns dias antes do jogo do Sporting com o Atlético de Madrid para a Liga Europa, onde o Núcleo esteve presente com uma excursão de adeptos. Paulo Silva perguntou se havia bilhetes a preços mais convidativos, mas como não é sócio do NSE não teve direito a eles. “Se ele fosse um empresário importante e que conhecesse gente dentro da estrutura do Sporting precisava de vir aqui perguntar por bilhetes?”, questiona David Ribeiro com desconfiança.

Além de Paulo Silva foram detidos o director do departamento de futebol do Sporting, André Geraldes, Gonçalo Rodrigues, empresário, e o braço direito do director do futebol, João Gonçalves. Paulo Silva é suspeito de ter corrompido árbitros de andebol e jogadores de futebol. Suspeita-se que vários árbitros receberam verbas entre os 1500 e os dois mil euros para beneficiarem o Sporting.

Ouvido em tribunal, Paulo Silva, alegado intermediário na tentativa de aliciamentos de jogadores adversários para tentar favorecer o Sporting, ficou proibido de falar com os outros arguidos e impedido de prestar declarações à comunicação social. Dos quatro arguidos, o director para o futebol do Sporting, André Geraldes, foi o que sofreu a medida de coação mais gravosa: ficou em liberdade mediante pagamento de caução de 60 mil euros.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Médio Tejo