Sociedade | 09-06-2018 17:22

APATI precisa de sangue novo e de novas instalações

APATI precisa de sangue novo e de novas instalações
Cristina Santos mantém-se como presidente da direcção da colectividade

A direcção da Associação Promotora de Apoio à Terceira Idade da Castanheira do Ribatejo demitiu-se mas viu-se obrigada a retomar funções por falta de candidatos.

A Associação Promotora de Apoio à Terceira Idade (APATI) de Castanheira do Ribatejo, concelho de Vila Franca de Xira, ficou mais de um mês com a direcção a meio gás, depois de demissões sucessivas. À falta de candidatos, a anterior presidente, Cristina Santos, teve que se chegar novamente à frente.
A APATI funciona em instalações antigas e adaptadas em três edifícios diferentes e precisa de um novo espaço para crescer e melhorar as suas respostas à comunidade. Actualmente emprega 56 pessoas, dá apoio a 50 utentes em centro de dia, 38 em lar e 35 em apoio domiciliário.
Cristina Santos, que ocupava o lugar de presidente há cerca de cinco anos, foi a primeira a demitir-se. A O MIRANTE explica que tomou essa decisão por achar que “não estava a prestar um bom serviço à comunidade” e que “já não tinha forças para motivar a equipa”. Fala em ideias vincadas e egoístas e decisões mal ponderadas, por parte da direcção. Afasta a ideia de que a instituição corre riscos de encerrar, mas não nega dificuldades de gestão de recursos humanos e financeiros. Diz que “há idosos que estão a deixar de pagar” e que há atrasos no pagamento aos fornecedores, mas garante que a APATI salda as suas dívidas.

Falta de sangue novo
No mês de Maio os sócios da instituição reuniram em assembleia-geral para eleger uma nova direcção, mas nenhuma lista se apresentou. Na quarta-feira, 30 de Maio, realizou-se uma segunda assembleia-geral onde membros da anterior direcção se viram na obrigação de se chegar à frente. Cristina Santos tomou posse novamente como presidente, no dia 1 de Junho.
“A APATI não merecia estar em banho-maria”, disse Cristina Santos, sublinhando que existem funcionários e utentes que dependem da instituição e há projectos por concretizar”- referindo-se à construção de novas instalações. Salienta que “a APATI precisa de ideias e pessoas novas”, pois apesar de a instituição ter quase dois mil sócios, “a maior parte são idosos”. Esta situação cria dificuldade em formar listas para a direcção.
Segundo Cristina Santos, já há muito que se fala na falta da entrada de sócios jovens, mas a direcção nunca fez nada para combater a situação. Desta vez, a falta de comparência dos sócios na assembleia-geral fez abanar consciências e a dirigente sublinha que “é preciso criar uma estratégia para trazer gente nova”. Cristina Santos garante que cativar pessoas activas “é algo que agora está em cima da mesa”.

Terreno em vista para aumentar instalações

A decisão de avançar com um projecto para criar de raiz novas instalações já está tomada há vários anos, mas foi sendo protelada, por falta de um terreno que se adequasse, em dimensão e proximidade, às necessidades da instituição. Actualmente têm em vista um terreno, próximo de Castanheira do Ribatejo, para o qual já têm um projecto pensado. Cristina Santos adianta que nas próximas semanas a direcção voltará a entrar em conversações com a Câmara de Vila Franca de Xira, para estudar a possibilidade da aquisição do terreno em vista.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo