Sociedade | 24-08-2018 10:40

Baratas americanas invadem casas e estabelecimentos de três freguesias de VFX

Baratas americanas invadem casas e estabelecimentos de três freguesias de VFX
Moradores da Quinta das Índias em Vialonga são alguns dos que estão a sofrer com os problemas causados pelas baratas americanas

Praga está a ser difícil de combater porque estes insectos são mais ágeis e reproduzem-se em sítios de difícil acesso.

Há uma praga de barata americana, que pode transmitir doenças, nas freguesias de Vialonga, Póvoa de Santa Iria e Forte da Casa, no concelho de Vila Franca de Xira. Os moradores estão a pedir desbaratizações urgentes por parte da câmara municipal. As zonas da Quinta da Piedade na Póvoa, o centro do Forte da Casa e a zona da Flamenga e Quinta das Índias em Vialonga são os locais onde tem havido mais queixas de moradores.


Quem vive nestas localidades relata a O MIRANTE situações de baratas a entrar nas habitações pelos canos de esgoto, subindo pelos ralos das banheiras, lava-loiças e até pelas sanitas. Contactada por O MIRANTE a Câmara de Vila Franca de Xira explica que prevê fazer face ao problema no âmbito de uma campanha de desbaratização que está a decorrer até ao final de Setembro. A acção, promovida anualmente pelo município, tem como objectivo “debelar as pragas já existentes, assim como prevenir o surgimento de novas pragas, através da aplicação de insecticida, devidamente homologado, na rede de esgotos das áreas a intervencionar”, explica. A câmara diz também que além desta campanha anual os serviços municipais vão acorrendo ao longo do ano a outras situações que lhes são apresentadas.


“Mesmo com altas temperaturas encontramos baratas dentro das máquinas de lavar loiça e da roupa. Estamos preocupados com esta situação porque temos crianças pequenas e torna-se difícil lidar com isto. São baratas enormes e parecem mutantes. Tem sido uma praga muito grande”, lamenta Nuno Gil, que vive na Quinta das Índias há uma década. Todos os anos o problema repete-se no Verão, mas nunca com esta intensidade, explica. Cada morador vai tentando contornar o problema como pode, espalhando veneno pela casa, colocando em risco os animais domésticos. No mesmo bairro de Vialonga, junto ao parque infantil, os moradores tiveram de espalhar veneno para impedir as baratas de se aproximarem das crianças.


Hugo Santos, que vive no Olival da Fonte em Vialonga, também sente os efeitos da praga e diz que está em causa a saúde pública. Na mesma localidade, Ana Cláudia é esteticista e tem uma loja na Rua das Conchas, onde vários estabelecimentos comerciais, incluindo cafés, estão a sofrer com a praga. “Começaram a aparecer há duas semanas, inclusive vê-se elas a andar no passeio em pleno dia. Já pensámos desinfestar todo o prédio mas sem que a câmara faça o mesmo nas suas condutas de esgoto não vale a pena porque ao fim de três meses volta tudo ao mesmo”, lamenta.

O que é a barata americana
A barata americana distingue-se das restantes por ser maior e dotada de asas que lhe permitem voar. São comuns em países de clima tropical, tendendo a manifestar-se mais nos dias de maior calor e especialmente ao final do dia e à noite. Vivem principalmente dentro de esgotos, condutas e tubagens e dentro dos edifícios. As fêmeas transportam de 6 a 28 ovos e a eclosão dá-se em dois meses. São ágeis e rápidas e a sua exterminação não é fácil porque os ovos são deixados em sítios de difícil acesso.

Problema erradicado em Samora Correia e Porto Alto
A praga de baratas que estava a ser sentido em Samora Correia e Porto Alto, no concelho de Benavente, está controlado e em vias de ficar resolvido. A informação é avançada pelo presidente do município, Carlos Coutinho. “Em Samora Correia praticamente já não há focos desta praga apesar de continuarmos a intervir. A intervenção de desinfestação que temos em curso desde Maio continua, desta vez na zona de Benavente”, explicou o autarca na última reunião pública do executivo.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1368
    12-09-2018
    Capa Médio Tejo