uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

“Houve subfinanciamento da saúde”

Ex-ministro da tutela justifica défice de 1.500 milhões de euros
Edição de 25.05.2005 | Economia
O ex-ministro da Saúde Luís Filipe Pereira afirmou na terça-feira que os valores transferidos do Orçamento de Estado para o sector têm sido sempre insuficientes e as receitas do Serviço Nacional de Saúde sobreorçamentadas.Luís Filipe Pereira esteve na comissão de Saúde da Assembleia da República, a pedido dos deputados do PSD, onde foi solicitado a explicar o défice de cerca de 1.500 milhões de euros no sector apurado pelo relatório Constâncio.O valor não surpreendeu o antecessor do actual ministro da Saúde, que disse estar-se “perante um subfinanciamento da Saúde”.O ex-responsável pela pasta frisou que o défice apurado não corresponde a uma despesa escondida do Serviço Nacional de Saúde (SNS), mas à diferença entre o que é transferido anualmente para o sector pelo Orçamento de Estado (OE) e os gastos reais do SNS.Luís Filipe Pereira argumentou que, em 2003, o valor transferido pelas Finanças para a Saúde foi de 5.500 milhões de euros, quando as despesas do SNS foram de 7.100 milhões de euros, o que significa que “o dinheiro transferido do OE para a Saúde era insuficiente”.O ex-ministro da Saúde adiantou também que “desde 1996 que há sobreorçamentação das receitas [do SNS]”, uma “prática do PS, sempre, que foi continuada pelos governos do PSD”.Aos jornalistas, no final da sessão de quase cinco horas, Luís Filipe Pereira explicitou que o OE é finito.“Para meter mais dinheiro na Saúde é preciso retirá-lo de outro lado”, disse.A admissão do subfinanciamento do SNS pelo ex-ministro foi recebida com agrado pelo deputado comunista Bernardino Soares e pela deputada do Bloco de Esquerda Ana Drago, que lamentaram, porém, que tal não tivesse sido conhecido “quando era o momento”, ou seja, aquando das discussões do OE de 2005.Luís Filipe Pereira tutelou a Saúde entre 2002 e 2004, nos governos de coligação PSD/CDS-PP liderados sucessivamente por Durão Barroso e Pedro Santana Lopes.

Mais Notícias

    A carregar...