uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Fábrica de beterraba de Coruche em risco

Produtores preocupados com proposta da Comissão Europeia
Edição de 20.07.2005 | Economia
Milhares de produtores de beterraba manifestaram-se segunda-feira em Bruxelas contra a proposta da Comissão Europeia para a reforma do mercado de açúcar, entre os quais alguns portugueses, que advertem para o eventual “desmantelamento do maior investimento agro-industrial do país” – a fábrica de açucar de beterraba da DAI, sedeada em Coruche.De acordo com a Associação Nacional dos Produtores de Beterraba (Anprobe), representada, em pequena escala, na grande acção de protesto, a proposta poderá ter “consequências desastrosas” em Portugal, e em causa poderão estar “acima de 1.500 postos de trabalho, directos e indirectos”.A manifestação, convocada pela Confederação Internacional dos Beterrabeiros Europeus, realizou-se no mesmo dia em que o Conselho de Ministros Europeus de Agricultura apreciou em Bruxelas a proposta da Comissão, que contempla descidas substanciais nos preços de referência da beterraba e cana-de-açúcar, de forma a tornar o mercado de açúcar “viável”.Os valores propostos pela Comissão apontam para uma redução na ordem dos 42 por cento no preço de referência da beterraba a partir de 2007/2008 - no caso português deverá aproximar-se dos 50 por cento, dado Portugal ter dos preços mais elevados -, e 39 por cento na cana-de-açúcar, a partir de 2009/2010.Para a Anprobe, a proposta da Comissão de Reforma da Organização Comum de Mercado do Açúcar, a ser aprovada nos actuais moldes, significará o abandono de uma grande parte da cultura da beterraba, “com consequências desastrosas para os agricultores” e “poderá obrigar ao desmantelamento do maior investimento agro- industrial” em Portugal.A Anprobe explica que a proposta “representará em alguns casos perdas de rendimento por parte dos produtores de beterraba portugueses na ordem dos 70 por cento”. “É insuportável”, afirmou à Lusa um dos manifestantes, Fernando Costa Duarte, que reclama reduções “mínimas” nos preços, compensadas por ajudas maiores.A proposta da autoria da comissária europeia com a pasta da Agricultura, a dinamarquesa Marianne Fischer Boel, já foi adoptada pela Comissão, e será agora analisada pelos ministros da Agricultura dos “25”.Em declarações à Lusa por ocasião da apresentação da proposta pela Comissão, o ministro da Agricultura português, Jaime Silva, já se manifestara “apreensivo”, garantindo que Portugal se irá bater de modo a permitir a manutenção da produção no país.Fonte diplomática indicou à Lusa que a descida “bastante gravosa” no preço do produto, a confirmar-se, levaria à “desistência de muitos produtores na União Europeia”, e no caso concreto de Portugal “inviabilizaria” decerto a manutenção da única fábrica portuguesa, a DAI, em Coruche.DAI confiante A DAI, o único fabricante português de açúcar, manifestou-se convencida de que a actual proposta da Comissão Europeia para reforma do mercado do açúcar vai ser alterada, e que a produção em Portugal vai continuar.Em comunicado divulgado no mês passado, a empresa afirmou-se “segura que, no decurso do processo negocial, será possível chegar a uma solução capaz de conciliar os objectivos da reforma com a manutenção da cultura da beterraba, e da produção de açúcar em Portugal”.Para tal, adiantou, “bastará que a redução de preços não seja tão acentuada”, que os cortes de produção “sejam feitos à custa dos países produtores de excedentes e não os que sempre cumpriram os seus limites de produção, como é o caso de Portugal”, e ainda “que se faça uma gestão adequada das importações a autorizar na UE”.“Pelas posições de rejeição já manifestadas por 11 dos actuais Estados-membros, incluindo Portugal, pode-se afirmar, com segurança, que a proposta da Comissão, tal como apresentada, não será aprovada”, previu a DAI.Lusa

Mais Notícias

    A carregar...