uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

“Hoje não há moral dentro e fora das escolas”

Antiga professora de Moral só uma vez bateu num aluno

Para a professora Suzete Mota Cerveira as aulas de Religião e Moral ajudavam a educar e a formar os jovens para serem pessoas de respeito e com respeito, o que hoje não acontece.

Edição de 13.09.2006 | Especial Regresso às Aulas
Em quase 30 anos como professora de Religião e Moral, Suzete Mota Cerveira só bateu uma vez num aluno. Deu-lhe uma bofetada para acabar com a insolência de um rapaz que ainda por cima era filho de uma grande amiga. O episódio foi tão marcante que ainda hoje a docente de Almeirim, de 82 anos, se lembra do que disse nessa altura: “Nunca mais lhe perdoo por me ter feito sair do meu ideal de nunca tocar num aluno”. Ele julgava, conta, que por a sua mãe ser muito amiga da professora que podia fazer tudo. E foi isso que mais a revoltou. Na altura leccionava no então ciclo preparatório de Almeirim, hoje Escola Febo Moniz. Onde nem sempre as aulas de Religião e Moral eram pacíficas. “Havia sempre alunos insubordinados que tentavam experimentar os limites do professor, para ver como o professor reagia”.Suzete Mota Cerveira aproveitava esses casos para mostrar o caminho do bem aos alunos. Servia-se do exemplo para mostrar que a moral não era apenas um conceito mas algo que devia ser praticado para ajudar a formar pessoas boas de bem. Não ia para as aulas dar catequese. “Ia fomentar a discussão sobre vários temas. Falávamos de tudo. Depois indicava o melhor caminho e fomentava o respeito pelos outros”, recorda. Começou a ensinar Religião e Moral quando tinha 26 anos no antigo externato liceal de Almeirim. Foi convidada pelos directores do estabelecimento, por ser chefe da Juventude Católica. Aceitou a contragosto porque achava que nunca ia ser tão boa como a mãe, que era uma “excelente” professora primária. E porque o seu sonho era ser arquitecta. Ainda hoje se arrepende de nunca ter aprendido arquitectura. Com o encerramento da escola privada, passa para o ensino público onde continua a leccionar apesar de apenas ter completado o 5º ano. Costumava também dar aulas de trabalhos manuais aproveitando o jeito que tinha. Suzete Cerveira, que se reformou por volta dos 55 anos, recorda que quando a sua disciplina passou a ser opcional muitos inscreviam-se porque eram obrigados pelos pais. Mas muitos, recorda, acabavam por gostar e sair ao fim do ano com mais sentido de responsabilidade. O que hoje, reconhece, não se passa. “Muitos alunos vão para a escola com uma fraca educação. E esta devia ter o direito de permitir que os professores educassem bem os estudantes sem ser necessário bater”. Hoje, diz, “não há moral dentro e fora da escola”. Considerando que as escolas deviam voltar a ter esta disciplina obrigatória. Porque “os pais estão sempre ao lado dos filhos permitindo que eles façam tudo, sem regras, sem respeito. Pelo que vejo hoje os pais estão sempre contra os professores e ao lado dos filhos que não fazem nada pela sua formação pessoal e académica”, comenta a docente, acrescentando que “estão a estragar a juventude”.

Mais Notícias

    A carregar...