uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

"Verdes" reclamam correcção de erros da ponte Salgueiro Maia

Edição de 01.08.2007 | Sociedade
O Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) reclamou em requerimento parlamentar a correcção dos erros de concepção da ponte Salgueiro Maia, em Santarém, que apresenta vários problemas no pavimento e de segurança rodoviária. O deputado Francisco Madeira Lopes recorda que desde a sua inauguração, em 2000, a ponte entre Santarém e Almeirim "apresenta um conjunto de problemas relacionados com deficiente projecção ou construção dessa obra de arte que colocam em causa a segurança rodoviária de quem nela transita".O deputado, residente em Santarém, mas eleito pelo círculo de Lisboa, aponta as várias "irregularidades no piso, que já apresenta sinais de degradação" ou a "insuficiente capacidade de escoamento de águas pluviais" como duas das questões mais problemáticas. Além disso, o eleito dos Verdes elenca outros problemas, como a "inexistência de telefones SOS" ou de "iluminação em todo o tabuleiro" da ponte, entre outras questões.Os problemas foram tais que a empresa Estradas de Portugal só aceitou a obra com a condição de o empreiteiro "assumir as correcções do pavimento", salienta o deputado, criticando a falta de intervenções após a inauguração da travessia. No requerimento, o deputado questiona o Ministério das Obras Públicas sobre quais as intervenções que vão ter lugar e que serão assumidas pelo empreiteiro. O deputado reclama também que sejam resolvidos os problemas de segurança detectados na inauguração, entre os quais a "necessidade de um plano de emergência envolvendo as diferentes entidades com responsabilidades na protecção civil e instalação de segmentos amovíveis no separador central para facilitar a inversão de marcha de veículos de socorro". O MIRANTE já fez várias reportagens sobre o assunto, a mais recente a 20 de Junho na qual dava conta que a Estradas de Portugal está há sete anos para resolver as deficiências.

Mais Notícias

    A carregar...