uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Grupo Lena prepara posição sobre anulação de Águas do Ribatejo

Edição de 08.08.2007 | Sociedade
O Grupo Lena remete para Setembro uma posição sobre a anulação do concurso público internacional para a empresa intermunicipal Águas do Ribatejo. O grupo empresarial, que em consórcio com os espanhóis da Aquália ganhou o concurso, já foi notificado pela Comunidade Urbana da Lezíria do Tejo (CULT) da decisão tomada no dia 25 de Julho na sequência da saída do projecto dos municípios de Santarém e Cartaxo. Júlio Bento, quadro do Grupo Lena, esclareceu que a empresa está a estudar todo o processo mas uma decisão sobre a atitude a tomar está condicionada pelo facto de se estar em período de férias e pelo facto de ainda ser necessário articular a estratégia com os parceiros espanhóis. Neste momento, diz o responsável, há vários cenários possíveis mas escusa avançar quais são. Além das expectativas de lucro que saíram goradas, o grupo gastou mais de cem mil euros em estudos económicos para poder obter financiamento junto da banca a fim de os 49 por cento do capital da Águas do Ribatejo. Numa primeira fase iriam fazer um empréstimo de 101 milhões de euros. Ao grupo apresentam-se para já várias hipóteses como a de avançar com um processo de indemnização pelas expectativas criadas e não concretizadas. Mas também pode assumir uma posição mais cautelosa, já que pode vir a concorrer ao concurso para escolha de um parceiro privado para a empresa que o município de Santarém pretende criar para gerir as águas e saneamento, ou pode vir a candidatar-se à concessão da exploração da rede de águas do Cartaxo. Há muito que se sabia que o concurso não tinha pernas para andar com a saída de Santarém e Cartaxo, mas só agora foi tomada a decisão formal. Recorde-se que entretanto a CULT decidiu avançar para a constituição de uma empresa de capitais exclusivamente municipais, integrando as câmaras de Almeirim, Alpiarça, Benavente, Chamusca, Coruche, Golegã e Salvaterra de Magos. A empresa a sete terá no primeiro ano um capital social de 5,410 milhões de euros constituído pelos activos dos municípios. A empresa que vai gerir as redes de água e saneamento destes concelhos da Lezíria do Tejo vai abranger uma população de 114 mil habitantes e pretende investir na melhoria dos sistemas até 2010 um total de 75,8 milhões de euros.

Mais Notícias

    A carregar...