uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

“A esperança nunca se perde, vamos lutar até ao fim”

Edição de 17.01.2008 | Desporto
Ainda antes do início do jogo com o Atlético do Cacém, em conversa com o presidente da direcção do Sport Lisboa e Cartaxo, Avelar Marques, garantiu que “a esperança de manutenção nunca se perde, vamos lutar até ao fim”, mas não escondeu que as coisas estão muito difíceis.Para Avelar Marques o clube está estável, as mudanças operadas na equipa com a substituição do treinador e a saída do jogador Job, não desestabilizaram. “Pelo contrário vieram trazer outra calma e outra vontade, que infelizmente não se têm traduzido em resultados”.O presidente do Cartaxo, informou que o jogador Job saiu do clube devido a problemas de indisciplina. “O Job foi incorrecto com o chefe do departamento de futebol. Nós pautamo-nos pelo respeito, por isso não admitimos que nos faltem com ele”, disse Avelar Marques.O presidente do Cartaxo aproveitou para informar que nunca negou a carta de desvinculação a nenhum jogador. “No caso do Job e de outro qualquer jogador, apenas queremos ser ressarcidos do investimento que fizemos nele, e foi isso que aconteceu nada mais”, referiu a propósito das afirmações feitas a O MIRANTE pelo presidente do Fazendense, que “acusava” o Cartaxo de estar a prejudicar o jogador.Aliás, para Avelar Marques o comportamento de Job indicia claramente que o jogador usou este estratagema para sair e ir para outro clube. “Nós não somos os maus da fita, e os jogadores e o presidente do Fazendense não têm asinhas, não são nenhuns anjinhos”, disse com ironia.A mudança de treinador teve a ver com a necessidade de ultrapassar os focos de indisciplina e também abanar as coisas dentro do grupo de trabalho. “Estava já a entrar-se numa onda de baixar os braços, que nós tentámos evitar”, disse como justificação para algumas mudanças que existiram.O grupo está melhor, mas as condições no clube não estão ainda muito boas. “Algumas entidades oficiais atrasaram os subsídios, e estamos com algumas dificuldades. Dificuldades que o grupo de trabalho compreende e aceita sem grandes problemas, porque sabe que na altura certa resolvemos sempre o problema”, garantiu Avelar Marques.

Mais Notícias

    A carregar...